Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    34.980,37
    -1.733,71 (-4,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Mesmo após aviso, governo desacredita em greve dos caminhoneiros

·1 min de leitura
Caminhoneiros durante greve em 2018
Greve deve durar quinze dias, caso aconteça

(REUTERS/Rodolfo Buhrer)

  • Caminhoneiros devem entregar hoje uma lista com reivindicações ao governo;

  • Caso não haja um acordo, a categoria prometeu paralisar a partir de 1º de novembro;

  • Apesar disso, o governo não acredita na ameaça, conforme apurado pelo Estadão.

Apesar dos caminhoneiros prometerem uma greve nacional a partir do dia 1º de novembro, o governo não acredita que a paralização acontecerá. As informações foram obtidas pelo Estadão.

De acordo com a reportagem, a ameaça é vista como falsa, bem como outras feitas antes e que não chegaram a se concretizar. Desde 2018 foram 16 tentativas de greve malsucedidas, sendo quatro neste ano, aponta o veículo. Oficialmente, o assunto não foi comentado pelo governo.

Leia também:

Ainda assim, os caminhoneiros prometeram entregar, nesta segunda-feira (18), uma lista com reivindicações. Dentre as demandas, está a aposentadoria especial aos 25 anos de trabalho, mudança na política dos preços da Petrobras para combustíveis – como forma de reduzir os preços do diesel – e valor mínimo do frete rodoviário.

Caso não haja um acordo, a categoria paralisará ao longo de quinze dias. Como forma de garantir a promessa, o presidente da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), Wallace Landim, garantiu sua participação. “Serei o primeiro (a parar em 1º de novembro)”, disse.

O documento que será entregue ao governo contará com as assinaturas da Abrava, do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL). Esta é a primeira vez que as três entidades se unem ao mesmo movimento, conforme informaram.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos