Mercado abrirá em 2 h 17 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,92
    +0,91 (+1,26%)
     
  • OURO

    1.794,60
    -3,40 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    16.818,23
    -7,91 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,92
    -7,11 (-1,77%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.482,82
    -6,37 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.530,75
    +21,25 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4745
    +0,0081 (+0,15%)
     

Mesário tem direito a folgas; veja os direitos dos trabalhadores da eleição

*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO , SP, BRASIL, 15/nov./2020: Mesário faz higiênização de mãos e caneta na seção onde vota  o Governador João Doria que esteve acompanhado pelo candidato Bruno Covas (PSDB), no Colégio St.Paul's na Zona Oeste de SP. (Foto Marcelo Justo/Folhapress)
*** FOTO DE ARQUIVO *** SÃO PAULO , SP, BRASIL, 15/nov./2020: Mesário faz higiênização de mãos e caneta na seção onde vota o Governador João Doria que esteve acompanhado pelo candidato Bruno Covas (PSDB), no Colégio St.Paul's na Zona Oeste de SP. (Foto Marcelo Justo/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os convocados pela Justiça Eleitoral para trabalhar como mesários têm direito a duas folgas para cada dia trabalhado nas eleições, incluindo os de treinamento, sem desconto no salário. Ou seja, o mesário que concluir o treinamento e trabalhar nos dois turnos da eleição terá direito a seis dias de folga.

"Esse direito é garantido a quem possuir vínculo de trabalho à época da convocação, seja na iniciativa pública ou privada, e o empregador não poderá descontar salário ou qualquer outra vantagem", afirma o TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Para ter o dia de descanso, o profissional deve apresentar ao seu empregador a declaração expedida pelo juiz eleitoral, fornecida pelo cartório eleitoral ou pelo portal do TSE alguns dias depois de cada turno. Quem tem mais de um emprego deve apresentar o documento em todos os lugares onde trabalha para receber as folgas.

A empresa não pode, em hipótese alguma, proibir o funcionário de ser mesário nem negar as folgas. Segundo a legislação, o patrão deve definir os dias de descanso em comum acordo com o trabalhador. O direito vale mesmo que o trabalho como mesário ocorra durante as férias do profissional.

A Justiça Eleitoral recomenda que as folgas sejam tiradas logo após as eleições, porém, não há prazo legal. Se for demitido ou sair da empresa antes, o trabalhador deve ser remunerado.

"O trabalho como mesário pode garantir outros direitos, como a preferência em caso de desempate em concursos públicos e utilização das horas trabalhadas para atividades em faculdades", afirma a advogada Fátima Cristina Pires Miranda, do escritório Vilela, Miranda e Aguiar Fernandes Advogados.

O mesário também tem direito ao auxílio-alimentação, hoje no valor máximo de R$ 35, para cada turno da eleição.

AUSÊNCIA GERA MULTA

O mesário que faltar no dia da eleição e não apresentar justificativa ao juiz eleitoral em até 30 dias fica sujeito ao pagamento de multa no valor de 50% do salário mínimo (equivalente a R$ 606, neste ano).

"Se for servidor público, a pena será de suspensão de até 15 dias e, na eventualidade de a mesa receptora deixar de funcionar pelo não comparecimento do mesário, as penalidades previstas serão aplicadas em dobro", afirma o TSE.