Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,34
    -0,02 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.842,70
    +12,80 (+0,70%)
     
  • BTC-USD

    36.891,35
    +326,41 (+0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    720,23
    -14,91 (-2,03%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.862,77
    +288,91 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.623,15
    +380,94 (+1,35%)
     
  • NASDAQ

    12.869,50
    +67,25 (+0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4019
    +0,0066 (+0,10%)
     

Mesário é afastado em Vitória da Conquista após postar foto com teor político em rede social

Louise Queiroga
·1 minuto de leitura

Um mesário foi afastado de seus afazeres durante o segundo turno da eleição municipal de Vitória da Conquista (BA) neste domingo, 29. Segundo o Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), o homem tirou uma foto dentro da seção em que trabalhava e a postou em rede social fazendo apologia política, o que configura como descumprimento da legislação e pode ser enquadrado como crime eleitoral.

No dia da votação, é proibido divulgar qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de candidatos.

Quanto ao interior das seções eleitorais e locais de apuração, é proibido aos servidores da Justiça Eleitoral, aos mesários e aos fiscais o uso de roupas ou objetos com qualquer propaganda de partido, coligação ou candidato.

Aos fiscais partidários, somente é permitido uso de crachá com o nome e a sigla do partido político ou da coligação em que atuam.

O caso em questão ocorreu na Escola Municipal Frei Serafim do Amparo, localizado na Vila Serrana II.

Segundo a Justiça Eleitoral, denúncias de irregularidades e crimes eleitorais podem ser encaminhadas diretamente ao Ministério Público Eleitoral. No dia do pleito, os juízes eleitorais e os presidentes de seção exercem poder de polícia e podem mandar cessar práticas ilegais de candidatos, eleitores e dos próprios colaboradores.