Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.147,97
    +1.269,44 (+1,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.893,77
    +218,94 (+0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,67
    +0,39 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.843,70
    +13,50 (+0,74%)
     
  • BTC-USD

    19.384,44
    +435,54 (+2,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,89
    +6,49 (+1,73%)
     
  • S&P500

    3.673,73
    +4,72 (+0,13%)
     
  • DOW JONES

    30.046,16
    +162,37 (+0,54%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.489,75
    +35,50 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2453
    -0,0745 (-1,18%)
     

Merkel adverte contra "mentiras e desinformação" na luta contra o coronavírus

·1 minuto de leitura
A chanceler alemã Angela Merkel antes de discursar no Parlamento
A chanceler alemã Angela Merkel antes de discursar no Parlamento

A chanceler alemã Angela Merkel defendeu nesta quinta-feira as novas medidas restritivas anunciadas por seu governo contra o coronavírus, ao mesmo tempo que fez uma advertência contra a propaganda e as teorias da conspiração para abalar a luta contra a pandemia.

"Permitam-me ser clara: mentiras e desinformação, conspiração e ódio não prejudicam apenas o debate democrático, mas também a luta contra o coronavírus", disse Merkel na Câmara Baixa do Parlamento alemão.

Merkel anunciou na quarta-feira medidas drásticas para conter a segunda onda de coronavírus na Alemanha, como o fechamento por um mês de restaurantes e áreas de lazer, acompanhadas por ajudas de até 10 bilhões de euros (11,75 bilhões de dólares) para que a economia consiga enfrentar o choque.

Deputados do partido de extrema-direita Alternativa para Alemanha (AfD), terceira força política da Câmara Baixa, protestaram com gritos contra as medidas durante o discurso da chanceler.

Algo pouco habitual, o presidente do Parlamento, Wolfgang Schauble, teve que interromper brevemente o discurso de Merkel para pedir ordem e ameaçar os deputados com sanções.

"O populismo não está apenas longe da realidade, mas também é irresponsável", completou Merkel, antes de destacar que as medidas adotadas eram "apropriadas, necessárias e proporcionais".

dlc/hmn/bp/mar/zm/fp