Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,10 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.802,10
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    34.425,45
    +480,88 (+1,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    -6,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1217
    +0,0015 (+0,02%)
     

Mercedes Benz quer ter um sistema operacional próprio até 2024

·2 minuto de leitura
Mercedes Benz quer ter um sistema operacional próprio até 2024
Mercedes Benz quer ter um sistema operacional próprio até 2024

Com um número cada vez maior de recursos automotivos controlados por computador, empresas que, em outros tempos, se preocupavam apenas com recursos mecânicos, estão se vendo obrigadas a entrar em novos filões de mercado. A mais recente delas é a Mercedes, que anunciou que está trabalhando no desenvolvimento do Sistema Operacional Mercedes-Benz (MB.OS), que será o primeiro sistema operacional próprio da montadora alemã e deve ser lançado até 2024.

A necessidade se dá por conta do avanço cada vez mais rápido da instalação de redes 5G em países do chamado primeiro mundo, que, junto com ele, traz uma série de avanços tecnológicos relacionados à direção autônoma, por exemplo. Com isso, os fabricantes, como a Mercedes-Benz, estão se vendo em uma situação onde se faz necessário criarem seus próprios sistemas operacionais, em detrimento do uso dos sistemas de prateleira, como o Android, do Google.

Slide explicativo sobre o sistema MB.OS
Sistema operacional MB.OS será desenvolvido em um centro na cidade de Sindelfingen, na Alemanha. Crédito: Mercedes-Benz/Divulgação

Para desenvolver o MB.OS, a Mercedes pretende contratar 3.000 engenheiros de software, sendo que 1.000 deles trabalharão em um novo centro de software, que será construído no principal local de pesquisa e desenvolvimento da montadora, localizado em Sindelfingen, na Alemanha. Os demais centros de software serão espalhados por outras filiais da empresa ao redor do mundo, em países como Israel, Estados Unidos, China, Japão e Índia.

Sistema nervoso automotivo

De acordo com o diretor de tecnologia da montadora, Sajjad Khan, o MB.OS formará o “sistema nervoso central” do carro e, a longo prazo, a Mercedes deverá contar com o desenvolvimento interno de mais de 60% do software usado por eles. Isso deve se estender para além de sistemas específicos para carros, indo também para os segmentos de computação em nuvem e da internet das coisas.

Em seu planejamento, a Mercedes pretende que seu sistema operacional permita atualizações e upgrades ao longo de toda a vida útil do carro, como acontece com smartphones e outros dispositivos eletrônicos conectados. Além disso, a montadora pretende disponibilizar serviços que poderão ser ativados e desativados ou desativados pelo proprietário após a compra do veículo, como uma espécie de serviços de assinatura.

Leia mais:

O desenvolvimento do MS.OS não é exatamente a estreia da montadora na área de softwaresm a empresa já obteve algum sucesso com seu sistema de infotenimento, o MBUX (Mercedes-Benz User Experience), que se destacou por sua usabilidade, classificada como simples. A expectativa da Mercedes é de gerar lucros de cerca de US$ 1,2 bilhão (R$ 5,92 bilhões) até 2015 somente com serviços digitais.

Com informações do Motor Authority

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos