Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,29
    -0,01 (-0,01%)
     
  • OURO

    1.746,80
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    44.898,88
    +1.314,06 (+3,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.119,18
    +10,26 (+0,92%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.308,25
    +4,75 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2262
    +0,0012 (+0,02%)
     

Mercados voltam a ficar pressionados com angústia local; dólar supera R$5,40 e DIs saltam 20 pontos-base

·2 minuto de leitura
Cédulas de dólares dos EUA

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar ganhou força no fim da manhã, abandonou a queda de mais cedo e voltou a superar 5,40 reais nesta segunda-feira, em dia de renovada pressão no mercado de juros e de fraqueza na bolsa de valores, ainda em meio à indigestão do mercado diante do tensionado clima político-fiscal no Brasil.

A Guide Investimentos notou que o ambiente institucional no Brasil segue "conturbado" após o presidente Jair Bolsonaro dar entrada em pedido de impeachment de um ministro do STF na sexta-feira. Além disso, o noticiário do fim de semana sugere a investidores que o governo vai precisar gastar tempo para debelar crises com outros Poderes, com risco, assim, de deixar de lado a agenda de reformas ansiada pelo mercado.

Em paralelo a isso, o Banco Central vê barulho quanto ao efetivo apoio do Planalto à sua autonomia formal, sancionada em lei deste ano, mas não movimento ou pressão direta do presidente Jair Bolsonaro contra o status recém-adquirido, disseram duas fontes da autoridade monetária à Reuters, sob condição de anonimato.

Na sexta-feira, a agência de notícias Associated Press publicou que Bolsonaro confidenciou a interlocutores ter se arrependido da lei de autonomia, que assinou em fevereiro.

O dólar à vista tinha variação positiva de 0,10% nesta segunda, a 5,3903 reais, após alcançar 5,4023 reais (+0,32%). A moeda passou boa parte da manhã em baixa, tocando uma mínima de 5,345 reais (-0,74%).

Nos juros, as taxas voltavam a mostrar forte alta de mais de 20 pontos-base após uma trégua na sexta-feira, quando ainda devolveram apenas uma parte da disparada de dias anteriores gerada por temores fiscais.

Uma forte demanda por NTN-B --título que protege da inflação-- tem ajudado a manter os DIs em alta, uma vez que o mercado de juros nominais a termo da B3 serve de "hedge" para as posições em juro real.

Sinal de maior percepção de risco por parte do investidor, o spread entre as taxas de DI de janeiro 2027 e janeiro 2023 subia 6 pontos-base nesta sessão, a 166 pontos-base, devolvendo boa parte da queda de 8 pontos-base da sexta-feira.

No mercado de ações, o Ibovespa destoava de seus pares e caía 0,6%, ampliando a queda no mês para 3,7% e caminho de engatar o segundo mês de perdas.

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos