Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,80
    -0,48 (-0,63%)
     
  • OURO

    1.752,10
    -1,90 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    16.467,27
    -1,85 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    387,15
    +4,49 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.201,55
    -81,48 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    11.710,00
    -72,75 (-0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6174
    -0,0070 (-0,12%)
     

Mercados têm dia de nervosismo no Brasil por medo da economia no governo Lula

A bolsa de São Paulo fechou em queda e o dólar subiu nesta quinta-feira (10), após declarações do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que alimentaram temores sobre o aumento sem controle dos gastos públicos.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de São Paulo, fechou em queda de 3,61%, em uma sessão que chegou a operar em baixa de mais de 4%.

Enquanto isso, o dólar comercial chegou a R$ 5,39, em alta de 4,10%, a maior desde março de 2020, segundo o jornal Valor Econômico.

"Nunca vi um mercado tão sensível como o nosso. É engraçado que esse mercado não ficou nervoso com quatro anos do [governo] Bolsonaro", queixou-se Lula esta tarde em Brasília.

Mais cedo, o presidente eleito fez declarações que, segundo analistas, fizeram disparar o nervosismo dos investidores.

"Por que as mesmas pessoas que discutem com seriedade o teto de gastos, não discutem a questão social nesse país? A gente tem que tratar prioritariamente as pessoas mais necessitadas", questionou Lula, que vai assumir seu terceiro mandato presidencial em 1º de janeiro de 2023.

Lula discursou no Centro Cultural Banco do Brasil, na capital federal, onde sua equipe gerencia a transição com o governo do presidente em fim de mandato Jair Bolsonaro (PL).

Embora tenha reagido com serenidade à vitória de Lula no segundo turno das eleições, em 30 de outubro, o mercado, mais favorável às políticas liberais, refletiu as preocupações dos últimos dias com a falta de definições do líder do Partido dos Trabalhadores (PT), que ainda não anunciou quem será seu ministro da Economia.

"O que esta acontecendo é uma expetativa de piora fiscal no longo prazo", explicou Paula Magalhães, economista-chefe da consultoria AC Pastore & Associados.

"O Lula foi eleito com o discurso de gastar mais no social, então já se sabia que ia ter um aumento de gasto. O problema do discurso hoje é que o Bolsa Família ou o Auxílio Brasil poderia ficar fora do teto de gastos - isso, sim, é uma sinalização ruim de controle fiscal", acrescentou.

Segundo ela, um aumento do gasto público já elevado aumentaria a dívida e pressionaria a inflação. Os preços ao consumidor voltaram a subir em outubro no país na medição mês a mês, após retrocederem por três meses seguidos.

A equipe de Lula negocia com o Congresso um espaço no orçamento de 2023 para cumprir os compromissos sociais assumidos durante a campanha, em particular a manutenção do auxílio de R$ 600 e o aumento do salário mínimo acima da inflação.

Nos dois casos, precisa quebrar a regra fiscal imposta pela lei.

Uma notícia adicional azedou o humor do mercado nesta quinta-feira: Guido Mantega, ministro da Economia nos governos de Lula e Dilma Rousseff, integrará a equipe de transição, anunciou o vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin (PSB).

"Mantega sinaliza um período onde houve um descontrole fiscal no governo de Dilma, com déficits e crescimento da dívida", explicou Magalhães.

mls/rsr/mr/mvv/ic