Mercado fechará em 4 h 55 min
  • BOVESPA

    101.116,29
    +352,69 (+0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.542,73
    +247,90 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,23
    +0,66 (+0,60%)
     
  • OURO

    1.821,30
    -3,50 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    20.836,48
    +28,50 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,23
    +4,16 (+0,93%)
     
  • S&P500

    3.901,63
    +1,52 (+0,04%)
     
  • DOW JONES

    31.528,94
    +90,68 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.326,78
    +68,46 (+0,94%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    11.949,50
    -91,00 (-0,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4861
    -0,0580 (-1,05%)
     

Mercados emergentes com déficits gêmeos de 4% ou mais devem atingir recorde, diz Fitch

Pessoas caminha em Bucareste, Romênia

Por Rachel Savage

LONDRES (Reuters) - A parcela de mercados emergentes com déficits orçamentário e em conta corrente de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) ou mais deve atingir um recorde neste ano, disse a agência de classificação de risco Fitch nesta terça-feira, à medida que os aumentos de preços causados pela guerra da Rússia na Ucrânia agravam o impacto da pandemia de Covid-19.

Mais de um quarto dos mercados emergentes que a Fitch avalia terão "déficits gêmeos" de 4% ou mais do PIB, disse a agência em nota, prevendo que Tunísia, Quênia, Uganda, Ruanda, Romênia e Maldivas registrarão déficits recordes de pelo menos 7%.

A invasão da Ucrânia pela Rússia em fevereiro elevou os preços de alimentos, combustíveis e fertilizantes, enquanto os aumentos das taxas de juros globais aumentaram a turbulência, ampliando os problemas dos mercados emergentes, que já estavam com dificuldades para se recuperar da pandemia.

"Déficits gêmeos consideráveis se enquadram num cenário de financiamento mais desafiador, de desaceleração do crescimento global, aumento das taxas de juros do Federal Reserve, aperto quantitativo, dólar forte, maior aversão a risco, inflação alta e taxas de juros domésticas crescentes", disse a Fitch na nota.

"O aumento nos preços dos alimentos está elevando as pressões sociais e fiscais", acrescentou a agência.

A Fitch observou que os saldos em conta corrente dos exportadores de commodities estão melhorando graças aos altos preços dos produtos, mas disse que os importadores líquidos de commodities "perderão" e só poderão se ajustar lentamente ao choque inflacionário.

As classificações de crédito da Fitch estão numa tendência de queda neste ano, com nove países rebaixados e apenas uma melhora de "rating", enquanto um recorde de 48% dos mercados emergentes está atualmente avaliado abaixo de A.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos