Mercado fechará em 2 h 20 min
  • BOVESPA

    112.365,28
    +2.161,51 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.351,96
    +247,57 (+0,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,66
    +2,06 (+2,41%)
     
  • OURO

    1.832,00
    -20,50 (-1,11%)
     
  • BTC-USD

    38.092,88
    +1.351,92 (+3,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    875,48
    +19,67 (+2,30%)
     
  • S&P500

    4.421,22
    +64,77 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.624,58
    +326,85 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.477,39
    +105,93 (+1,44%)
     
  • HANG SENG

    24.289,90
    +46,29 (+0,19%)
     
  • NIKKEI

    27.011,33
    -120,01 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.438,75
    +298,00 (+2,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1394
    -0,0127 (-0,21%)
     

Mercado crava aposta em alta de 1,5 p.p. do juro nesta semana

·2 min de leitura

SÃO PAULO (Reuters) -O mercado financeiro voltou a cortar estimativas para o crescimento da economia neste ano e no próximo, além de aumentar previsões para a inflação, enquanto passou a ver uma taxa de câmbio mais depreciada e manteve expectativa de alta de 1,50 ponto percentual da Selic nesta semana, mostrou a pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira.

Pelos números da Focus, baseados em compilação de previsões de cerca de 100 respondentes na sondagem do BC, a taxa básica de juros fechará 2021 em 9,25%, mesma previsão da semana anterior e ante taxa atual de 7,75% ao ano. A Selic ainda finalizaria 2022 em 11,25%, também mesmo prognóstico da semana anterior.

O Bacen aumentará a taxa básica de juros em 1,50 ponto percentual nesta semana, em face de persistentes preocupações fiscais, e provavelmente também reconhecerá a ameaça representada pela cepa Ômicron da Covid-19, mostrou uma pesquisa da Reuters na semana passada.

A inflação, motivo pelo qual o BC tem liderado um dos apertos monetários mais agressivos do mundo, deve ficar ainda mais elevada neste ano e no próximo, conforme a pesquisa Focus divulgada nesta segunda-feira.

O prognóstico para o IPCA de 2021 passou de 10,15% para 10,18%, e o para 2022 foi de 5,00% a 5,02%. A inflação em 12 meses, porém, agora é prevista em 5,36%, de 5,48% na semana anterior --segunda semana consecutiva de queda na estimativa. Mas chama atenção o aumento da perspectiva para o IPCA de 2023 (de 3,42% para 3,50%), distanciando-se ainda mais da meta para esse ano (3,25%).

O PIB deverá crescer 4,71% em 2021, abaixo dos 4,78% previstos na semana anterior. Em 2022, a economia avançará 0,51%, de 0,58% da previsão anterior.

O dólar terminará este ano em 5,56 reais (5,50 reais na estimativa da semana anterior). Ao fim de 2022 a moeda norte-americana ficará em 5,55 reais, de 5,50 reais do cenário anterior. É a primeira alta nas estimativas após quatro semanas de estabilidade.

O dólar fechou em alta na sexta-feira, perto de 5,68 reais e na máxima desde abril, alavancado por um movimento global de busca por segurança e com agentes de mercado à espera da decisão do Copom na próxima quarta-feira.

Veja as estimativas da pesquisa Focus divulgada nesta segunda-feira:

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos