Mercado fechará em 14 mins
  • BOVESPA

    109.782,90
    +2.403,98 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.892,30
    +625,10 (+1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,90
    +1,84 (+4,27%)
     
  • OURO

    1.804,10
    -33,70 (-1,83%)
     
  • BTC-USD

    19.170,63
    +718,66 (+3,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,79
    +10,04 (+2,72%)
     
  • S&P500

    3.635,94
    +58,35 (+1,63%)
     
  • DOW JONES

    30.041,51
    +450,24 (+1,52%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.055,25
    +150,00 (+1,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3949
    -0,0454 (-0,70%)
     

Mercado de venture capital mais que triplica em outubro no Brasil

BEATRIZ MONTESANTI
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O mercado de venture capital no Brasil movimentou US$ 221 milhões (R$ 1,27 bilhão) em outubro, com 49 aportes feitos em startups. O valor é mais que o triplo do registrado no mesmo mês do ano passado (US$ 61,6 milhões), segundo levantamento realizado pelo Distrito Dataminer, entidade dedicada a pesquisas do setor. Para além do venture capital, nos dez primeiros meses de 2020, as startups brasileiras receberam ao todo US$ 2,49 bilhões (R$ 14,35 bilhões) ao longo de 338 rodadas de investimento, o que representa 3% a mais do que o acumulado em igual período de 2019. A maior parte dos aportes (292) são dos primeiros estágios de investimento, como o de um investidor-anjo (o primeiro a impulsionar uma ideia), pré-seed e seed (semente). Segundo o levantamento, 93% do valor está concentrado em estágios mais avançados, como série A, G e private equity (fundo de capital privado). As fintechs, voltadas a soluções financeiras, foram as que mais atraíram investimento no acumulado do ano: mais de US$ 1 bilhão (R$ 5,76 bilhões) em 70 rodadas. Elas foram seguidas pelas startups focadas em varejo: US$ 274 milhões (R$ 1,57 bilhões), em 32 aportes. Segundo Gustavo Gierun, cofundador do Distrito, o mercado ficou aquecido mais recentemente, já que investidores estavam cautelosos no início da pandemia. "Ao que tudo indica, há grandes chances de termos o melhor ano da história para o universo das startups brasileiras", diz. Fundos estrangeiros foram os grandes responsáveis pelo crescimento. Somando diferentes rodadas, o grupo japonês SoftBank, por exemplo, investiu US$ 1,3 bilhão (R$ 7,49 bilhões) em empresas brasileiras como a Gympass, a Olist e a VTEX, ecommerce que em setembro se tornou o 12º unicórnio brasileiro (passou a valer mais de US$ 1 bilhão). No período também aconteceu a maior rodada série A (rodada inicial para startups que já possuem um modelo de negócio) do país. No caso, a mineira Take, focada em serviços de comunicação automatizada, recebeu US$ 100 milhões (R$ 576 milhões) em uma rodada liderada pelo fundo americano Warburg Pincus. Já o maior aporte do ano foi de US$ 15 milhões (R$ 86,41 milhões), feito pelos fundos Valor Capital Group e Monashees na Sami, que desenvolve tecnologias para operadoras de saúde. A startup anunciou que pretende agora lançar seu próprio plano de saúde.