Mercado abrirá em 8 h 6 min
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,88 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,40 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,88
    +0,60 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.853,40
    +11,30 (+0,61%)
     
  • BTC-USD

    30.152,03
    +822,96 (+2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    673,89
    +0,52 (+0,08%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,80 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.327,28
    -389,96 (-1,88%)
     
  • NIKKEI

    26.923,99
    +184,96 (+0,69%)
     
  • NASDAQ

    11.976,25
    +135,50 (+1,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1485
    -0,0043 (-0,08%)
     

Mercado vê aperto monetário mais intenso com Selic a 13,25% ao fim de 2022

·2 min de leitura

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado vem intensificando sua perspectiva para o aperto monetário em curso no Brasil em meio a projeções cada vez mais altas para a inflação, embora tenha melhorado o cenário para o crescimento deste ano.

A pesquisa Focus, que voltou a ser divulgada pelo Banco Central nesta terça-feira depois de um hiato de quase um mês, mostra que os especialistas consultados veem nova alta da taxa básica de juros de 1 ponto percentual na reunião de maio do Comitê de Política Monetária, chegando a 12,75%.

Mas eles preveem mais aperto monetário até o fim deste ano, com a Selic chegando a 13,25%, de expectativa de 13,05% na semana anterior e 13,00% há quatro semanas.

Para 2023, segue a projeção de que a Selic encerrará a 9%, sem alterações nas duas comparações.

Devido à greve dos servidores, a última vez que o BC havia divulgado os dados do Focus foi em 28 de março, com projeções referentes a 25 de março, mas a autarquia retomou a publicação nesta terça após a suspensão da paralisação.

O BC havia informado no mês passado que os membros do Copom seguiam com acesso atualizado aos dados das expectativas do mercado para a inflação, podendo utilizá-los para as decisões de política monetária apesar da greve de servidores.

O levantamento semanal, que capta a percepção do mercado para indicadores econômicos, mostrou ainda que o cenário para a inflação vem se degradando a cada semana.

A expectativa para a alta do IPCA em 2022 agora é de 7,65%, de 7,46% há uma semana e 6,86% há quatro semanas. Foi a 15ª alta seguida na estimativa.

Para 2023, os especialistas consultados veem inflação de 4,00%, de 3,91% e 3,80%, respectivamente, há uma e quatro semanas.

O centro da meta oficial para a inflação em 2022 é de 3,5% e para 2023 é de 3,25%, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Para o Produto Interno Bruto (PIB), entretanto, a estimativa de crescimento para este ano melhorou, passando de 0,50% há quatro semanas para 0,56% há uma semana e 0,65% agora. Mas, para o ano que vem, a conta veio diminuindo, indo de 1,30% a 1,12% e 1,00%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos