Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.442,28
    -84,77 (-0,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Mercado de trabalho forte deve trazer mais mulheres de volta ao emprego, diz Bowman, do Fed

Michelle Bowman, diretora do Federal Reserve, em uma conferência da American Bankers Association em San Diego, Califórnia

(Reuters) - Um mercado de trabalho forte nos Estados Unidos, a recuperação do setor de serviços e mais escolas e creches totalmente abertas provavelmente trarão mais mulheres de volta à força de trabalho, disse nesta quarta-feira a diretora do Federal Reserve Michelle Bowman.

"Continuamos a ver fortes ganhos de emprego e baixas taxas de desocupação --o tipo de mercado de trabalho que historicamente atraiu mais trabalhadores", afirmou Bowman em comentários preparados para pronunciamento na Comissão das Mulheres do Arkansas, em Russellville, Arkansas. "Ainda há muitos empregos disponíveis, mesmo que vejamos reduzido número de vagas em aberto."

Bowman --uma forte defensora dos agressivos aumentos da taxa de juros pelo Fed para domar a inflação que roda a mais de três vezes a meta de 2% do banco central dos EUA-- focou a maior parte de seus comentários no porquê de trabalhadoras se saírem pior do que os homens durante a pandemia e como as perspectivas estão se moldando para o futuro.

Ela não abordou diretamente a política monetária, embora sua visão seja de que, se mais mulheres puderem retornar à força de trabalho, algumas das pressões ascendentes de salários e preços que o Fed tenta controlar podem ser aliviadas.

Há cerca de quatro milhões a menos de pessoas trabalhando agora do que antes da pandemia, fator que, segundo economistas, pode estar contribuindo para a inflação.

Embora o futuro da oferta de vagas de emprego seja incerto, disse Bowman, alguns trabalhadores que se aposentaram cedo durante o auge da pandemia podem se sentir encorajados a retornar à força de trabalho por causa do rápido aumento dos preços.

(Por Ann Saphir)