Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,08
    +0,17 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.808,50
    +3,90 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    19.053,69
    -66,62 (-0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,14
    +9,39 (+2,54%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.819,96
    +231,76 (+0,87%)
     
  • NIKKEI

    26.670,84
    +505,25 (+1,93%)
     
  • NASDAQ

    12.162,25
    +86,25 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4017
    +0,0048 (+0,08%)
     

Mercado de títulos do Tesouro dos EUA sinaliza mais ações do Fed

Vivien Lou Chen e Alyce Andres
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A curva dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos sinaliza expectativas crescentes de que o Federal Reserve deve injetar mais estímulo antes do fim do ano, com maior foco de suas compras de títulos em vencimentos de longo prazo.

A piora da pandemia e a redução das expectativas de suporte fiscal extra significativo mudaram o rumo do maior mercado de títulos do mundo neste mês. Em vez de se prepararem para uma ruptura decorrente de uma forte inclinação da curva pós-eleição, traders agora antecipam uma curva mais achatada.

Os dados decepcionantes das vendas no varejo dos EUA na terça-feira reforçaram especulações de que o impacto econômico causado pelo coronavírus deve levar o Fed a agir já no mês que vem, segundo traders. E a sensação é de que a curva pode continuar se achatando se o mercado solidificar essa visão ou se autoridades monetárias começarem a indicar apoio para tal mudança.

Autoridades do Fed, que se comprometeram em manter os juros perto de zero em um futuro próximo, abriram a porta para uma possível mudança nas compras de títulos na última reunião em novembro. Mas os recentes dados que destacam o impacto da pandemia sobre consumidores e a ausência de estímulo fiscal adicional aumentam a probabilidade de o banco central intervir, dizem operadores.

O Fed atualmente distribui seus cerca de US$ 80 bilhões em compras mensais de títulos do Tesouro em uma faixa de vencimentos sem foco em um setor específico.

“O movimento no mercado se deve, em parte, a algumas expectativas de ação do Fed”, disse o gestor Thomas Graff, da Brown Advisory, que administra cerca de US$ 100 bilhões. “Não há grande razão para a curva fazer exatamente o que está fazendo - exceto pelo fato de que os casos de Covid estão subindo, dados ruins de vendas no varejo e talvez o Fed mudando seu mix de ativos para comprar títulos de prazos mais longos em dezembro. A curva deve continuar se achatando se obtivermos mais comunicação oficial de que o Fed favorece essa mudança.”

É verdade que a curva dos títulos do Tesouro ainda está relativamente inclinada em comparação com os últimos meses. Um segmento, de rendimentos entre 5 e 30 anos, não está muito abaixo de seus níveis mais inclinados desde 2016. Mas o movimento mais recente parece refletir uma menor expectativa de que a eleição presidencial dos EUA abriria caminho para uma aposta de grande reflação que resultasse em uma inclinação significativa.

Na segunda-feira, o JPMorgan Chase se uniu a um número crescente de empresas que agora esperam que o banco central estenda o vencimento das compras de títulos no próximo mês. A próxima decisão de política monetária está marcada para 16 de dezembro.

O aumento de casos de coronavírus pode até levar o Comitê Federal de Mercado Aberto a mudar a política antes de sua próxima reunião, de acordo com estrategistas do Standard Chartered. Se isso acontecer, poderia aumentar as compras mensais de títulos do Tesouro em cerca de 50%, para US$ 120 bilhões, disseram.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.