Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.317,11
    -230,09 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Mercado de títulos globais começa 2023 com enxurrada de ofertas

(Bloomberg) -- O mercado global de títulos começou o ano com uma enxurrada de ofertas de emissores como bancos europeus e governos asiáticos, que aproveitaram custos de captação atraentes.

Quatorze grandes emissores ofereceram títulos na terça-feira, incluindo BNP Paribas e Rabobank na Europa, e Sumitomo Mitsui e o governo de Hong Kong na Ásia. Nos EUA, são previstos US$ 40 bilhões em vendas de dívida de grau de investimento esta semana — mais de quatro vezes o volume de todo o mês de dezembro.

“Acho que 2023 começará com tudo, com emissores ansiosos para usar suas janelas de oportunidade”, disse Armin Peter, chefe global de captações do UBS, referindo-se ao período de emissões antes da temporada de balanços. “Por mais que o consenso do mercado aponte para um primeiro semestre difícil e um segundo melhor, os emissores não terão tempo a perder e seguirão com as ofertas.”

As vendas desta terça-feira representam um retorno aos negócios bem-vindo para o mercado de dívida, após um ano tumultuado por aumentos agressivos de juros e inflação alta. Os investidores começam a apostar que a inflação ficará sob controle, e os custos de captação caíram perto de níveis vistos pela última vez em meados de 2022.

Na Europa, o mercado chegou a ficar 52 dias sem ofertas de títulos corporativos, e o volume de emissões no acumulado do ano até meados de dezembro foi de apenas € 803 bilhões (US$ 848 bilhões), o menor nível desde 2018.

Na Ásia, excluindo o Japão, empresas e governos venderam apenas US$ 168 bilhões em títulos em 2022, o menor volume anual desde 2015, de acordo com dados compilados pela Bloomberg sobre transações de pelo menos US$ 100 milhões. As vendas de títulos em dólares da América Latina também desabou.

Para 2023, a perspectiva é mista. A depreciação do dólar contra as principais moedas nos últimos meses e sinais de que os juros nos EUA vão atingir um pico este ano podem estimular uma retomada das vendas. Ao mesmo tempo, há a expectativa de uma recessão global e que os bancos centrais continuam sua luta contra a inflação.

--Com a colaboração de Paul Cohen, Michael Gambale e Josyana Joshua.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2023 Bloomberg L.P.