Mercado fechado

Mercado reduz no Focus perspectivas para inflação e produção industrial em 2020

Edifício-sede do Banco Central, em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado reduziu suas expectativas para a inflação e a produção industrial neste ano, de acordo com a pesquisa Focus que o Banco Central divulgou nesta segunda-feira.

A expectativa para a alta do IPCA em 2020 passou a 3,58%, 0,02 ponto percentual a menos do que na semana anterior, enquanto permaneceu em 3,75% para o próximo ano.

O centro da meta oficial de 2020 é de 4% e, de 2021, de 3,75% ambos com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Em 2019, o choque da alta nos preços das carnes pressionou a inflação oficial do Brasil, terminando o ano acima do centro da meta oficial, porém dentro do limite pelo quarto ano seguido -- avanço de 4,31%, quando o centro da meta do governo era de 4,25%.

Para o Produto Interno Bruto (PIB), a estimativa de crescimento manteve o cenário de 2,30% em 2020 e 2,50% em 2021, de acordo com o levantamento semanal do BC. Entretanto, a perspectiva para a produção industrial neste ano foi piorada para uma expansão de 2,10%, contra 2,19% antes.

A pesquisa com uma centena de economistas mostrou ainda que não houve mudanças nas estimativa para a taxa básica de juros em 2020, com a Selic sendo vista em 4,5%. Para 2021, entretanto, a conta caiu a 6,25%, de 6,5%.

A Selic terminou 2019 a 4,5%, nova mínima histórica, após novo corte de 0,5 ponto percentual em dezembro, quando o BC indicou cautela em relação aos juros daqui para frente em meio a uma retomada econômica com mais ímpeto.

O Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, continua vendo a taxa básica em 4,25% este ano, mas passou a vê-la em 6,25% no próximo ano, de 6,5%.


(Por Camila Moreir)