Mercado abrirá em 6 h 11 min
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.873,90
    +7,40 (+0,40%)
     
  • BTC-USD

    34.496,42
    -166,19 (-0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    682,51
    -18,10 (-2,58%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    30.078,40
    +436,12 (+1,47%)
     
  • NIKKEI

    28.737,91
    +104,45 (+0,36%)
     
  • NASDAQ

    13.373,75
    +79,50 (+0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4177
    -0,0809 (-1,24%)
     

Mercado pode sofrer "virada forte" com demora em PEC Emergencial e em votação do Orçamento, diz Guide

·2 minuto de leitura
Prédio do Ministério da Economia, em Brasília.

SÃO PAULO (Reuters) - Há o risco de uma "virada forte" nos mercados para o lado negativo caso a PEC Emergencial não seja aprovada e a votação do Orçamento sofra novo atraso neste primeiro trimestre, num contexto já de preocupação com a pandemia e de demora para início da vacinação no Brasil, avaliou Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos.

"São pontos críticos e imediatos. Qualquer um desses pontos que não decorrer no mínimo necessário para o Brasil voltar à normalidade em meados deste ano, conseguir segurar algum tipo de atratividade para o investimento externo, podemos ver uma reviravolta, uma correção bastante forte no mercado. Acho que existe uma grande chance", afirmou o economista.

O Ibovespa sobe 4,2% em 2021, batendo sucessivos recordes, enquanto o real poderia, nesse contexto, aprofundar a desvalorização para além dos atuais 3,1%.

Beyruti chamou atenção para a necessidade do início da vacinação contra a Covid-19, que segue atrasado em meio a críticas ao Ministério da Saúde pela condução da pandemia.

"Acho que o primeiro passo, invariavelmente, tem que ser a vacina. Estamos vivendo um período de bastante incerteza em relação a esse ponto, e esse ponto é a estaca zero para gente ter previsibilidade para a economia brasileira em 2021", disse o economista.

No cenário-base da Guide, a economia doméstica cresce 3% neste ano, depois de uma queda estimada de 4,6% em 2020. O dólar cairá a 4,80 reais ao fim do ano, ante o patamar atual de 5,35 reais.

"Para 2021, seguimos esperando um câmbio volátil, mesmo que a níveis mais baixos do que o que foi verificado neste ano que passou", disse a Guide em relatório de perspectivas para 2021.

A Guide estima ainda que o Ibovespa fechará o ano aos 135 mil pontos, cerca de 11 mil pontos acima do patamar atual, num cenário de commodities em alta, estímulos globais e juros ainda baixos.

Mas fatores de ordem fiscal "podem acender o sinal de alerta para o mercado, resultando na inclinação da curva de juros... Esse cenário pode impactar imediatamente setores como energia, saneamento e construção civil, ao passo que traz também riscos futuros para outros setores que são diretamente ligados a decisão de investir ou consumir", disse a Guide.

(Por José de Castro)