Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.765,82
    +3.206,75 (+6,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Mercado passa a ver inflação acima do centro da meta este ano e Selic a 4,0%

Camila Moreira
·1 minuto de leitura
Consumidor faz compras em supermercado do Rio de Janeiro

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado voltou a elevar o cenário de inflação e taxa básica de juros no Brasil neste ano, passando a ver a alta dos preços acima do centro da meta oficial, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira.

O Focus mostrou que os especialistas veem agora a Selic a 4% ao final de 2021, de 3,75% na semana anterior. Para 2022 mantiveram a expectativa de juros a 5,0%.

A meta Selic está atualmente na mínima recorde de 2,00%, taxa que deve ser mantida na reunião de março do BC segundo o levantamento semanal.

Já o cenário para a inflação subiu pela sétima vez seguida e a alta do IPCA agora é calculada a 3,82% ao final deste ano, de 3,62% na pesquisa anterior. O resultado ficaria acima do centro da meta oficial para a inflação em 2021, que é de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Para 2022 os especialistas mantiveram a perspectiva de uma inflação de 3,49%, contra meta de 3,50%, também com margem de 1,5 ponto.

Para este ano a pesquisa mostra forte aumento dos preços administrados, de 5,10%, contra alta de 4,60% calculada antes. Mas para o ano que vem a expectativa de alta desses preços foi reduzida a 3,86%, de 3,94%.

Para o Produto Interno Bruto (PIB), a projeção de crescimento em 2021 caiu a 3,29%, de 3,43% no levantamento anterior, permanecendo em 2,50% para 2022.