Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    114,85
    +0,65 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.824,00
    +10,00 (+0,55%)
     
  • BTC-USD

    29.863,76
    -921,15 (-2,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    669,15
    +426,47 (+175,74%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    20.193,60
    +243,39 (+1,22%)
     
  • NIKKEI

    26.549,29
    +2,24 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    12.297,75
    +53,00 (+0,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2684
    -0,0121 (-0,23%)
     

Mercado melhora projeções para déficit fiscal e dívida bruta do governo em 2022

Moedas de reais

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - O mercado financeiro melhorou as projeções para o resultado primário das contas do governo federal e para a dívida bruta em 2022, mostrou relatório Prisma Fiscal divulgado nesta quarta-feira pelo Ministério da Economia, com dados coletados até o dia 6 de maio.

De acordo com o documento, que capta projeções de agentes de mercado para as contas públicas, a expectativa para o resultado primário do governo central neste ano ficou em déficit de 22,053 bilhões de reais, ante rombo de 46,359 bilhões de reais projetado para o mesmo período no levantamento de abril. Em março, a estimativa para o déficit estava em 64,153 bilhões de reais.

As projeções do mercado para o resultado primário refletem uma melhora nas expectativas para a receita líquida do governo neste ano, com ampliação de 1,700 trilhão de reais no relatório anterior para 1,738 trilhão de reais na pesquisa deste mês. Houve elevação menos intensa na estimativa da despesa total do governo, de 1,744 trilhão de reais para 1,756 trilhão de reais.

Os analistas consultados pela pasta reduziram a expectativa para a dívida bruta do governo geral em 2022 para 80,05% do Produto Interno Bruto (PIB), ante 81,00% na pesquisa de abril.

As estimativas fiscais vieram melhores mesmo após o corte de PIS/Cofins de combustíveis, a redução de 35% do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para uma série de produtos e cortes de tarifas de importação.

Para 2023, as projeções de mercado indicam déficit primário de 30 bilhões de reais no governo central, ante 33,737 bilhões de reais na estimativa trazida pelo relatório anterior.

A dívida bruta no ano que vem, segundo os prognósticos, deve ficar em 83,23% do PIB, ante 83,95% previstos no mês passado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos