Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.068,59
    -192,41 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Mercado melhora com força expectativa para crescimento este ano no Focus

·1 minuto de leitura
Consumidores fazem compras em rua comercial de São Paulo em meio a disseminação da Covid-19

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado elevou com força a expectativa de crescimento econômico do Brasil em 2021 depois de dados melhores do que o esperado sobre a atividade divulgados na semana passada, mostrou nesta segunda-feira a pesquisa Focus do Banco Central.

De acordo com o levantamento semanal, a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto agora é de 4,36% este ano, de 3,96% na semana anterior. Para 2021 a conta também subiu, a 2,31%, de 2,25%.

A revisão vem na esteira de dados que mostraram que a economia brasileira cresceu 1,2% no primeiro trimestre, acima do esperado e que levou o PIB de volta ao patamar pré-pandemia.

O Focus mostrou ainda forte melhora no cenário para a produção industrial, com o crescimento esperado em 6,10% em 2021 e 2,40% em 2022, de 5,50% e 2,30% respectivamente na pesquisa anterior.

As expectativas para a inflação também aumentaram, chegando a 5,44% este ano e 3,70% no ano que vem, de 5,31% e 3,68% antes. O centro da meta oficial para a inflação em 2021 é de 3,75% e para 2022 é de 3,50%, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Os economistas consultados ainda deixaram inalterada a perspectiva para a taxa básica de juros, com a Selic prevista em 5,75% ao final deste ano e 6,50% em 2022.

(Por Camila Moreira)