Mercado fechará em 3 h 35 min
  • BOVESPA

    113.882,11
    +2.698,16 (+2,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.627,93
    +250,46 (+0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,11
    +2,83 (+4,62%)
     
  • OURO

    1.717,80
    +2,00 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    49.685,86
    -1.043,88 (-2,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    996,62
    +9,41 (+0,95%)
     
  • S&P500

    3.825,56
    +5,84 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    31.319,19
    +49,10 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.654,09
    -21,38 (-0,32%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.687,25
    +5,50 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7077
    -0,0710 (-1,05%)
     

Mercado livre de energia reduziria em até 30% custo para consumidor, diz associação

BRUNA NARCIZO
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* ARAÇOIABA DA SERRA, SP, 05.12.2019 - Placa de energia solar no interior de São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
*ARQUIVO* ARAÇOIABA DA SERRA, SP, 05.12.2019 - Placa de energia solar no interior de São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Abraceel (Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia) entregou no início do mês para a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, o Ministério de Minas e Energia (MME) e a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) um estudo sobre a abertura do mercado brasileiro de energia elétrica.

A proposta da entidade é que os consumidores finais possam escolher seus próprios fornecedores de energia. Com isso, o preço para o usuário poderia ser reduzido em até 30%, defende a Abraceel.

"O estudo claramente mostra que não há impedimentos para a total abertura do mercado livre de energia no Brasil, inclusive para os consumidores residenciais", diz Reginaldo Medeiros, presidente da Abraceel.

Além da economia, Medeiros afirma que neste modelo o consumidor poderia escolher o tipo de energia que quer consumir, optando por exemplo pelas de origem renovável, como eólica e solar.

O modelo já existe no Brasil, mas, atualmente, apenas empresas que gastam 2.000 watts ou mais por mês podem escolher seu próprio fornecedor. Já o consumo médio de uma residência é de cerca de 150 watts por mês.

Segundo o presidente da Abraceel, já existe uma lei prevendo a abertura para o mercado residencial. "Em dezembro de 2019, o governo estabeleceu uma portaria para estudar o cronograma de abertura, mas ainda não saiu do papel", diz Medeiros.

Segundo ele, o modelo já é praticado em mais de 50 países. "O mercado livre de energia existe em todos os países da Europa, na Austrália, na Nova Zelandia, no Canadá e em 70% dos estados dos Estados Unidos", afirma.

Atualmente, o Brasil possui 1.500 empresas habilitadas para o serviço, diz o presidente. "Funciona exatamente igual a telefonia, você não pode escolher o DDD que você quer. Escolhe qual operadora vai usar para fazer o DDD e as empresas compensam as ligações e mandam uma única fatura", afirma.

Na prática, o consumidor faria um contrato de compra de energia com a empresa de sua escolha, mas a relação técnica continua com a mesma distribuidora, a empresa responsável pelos fios.

"A medição também poderia ficar sob a responsabilidade dessa empresa. No final do mês o consumidor pode receber apenas uma fatura, com a discriminação do preço pago por cada serviço."

A proposta, porém, encontra resistência no mercado. Um dos argumentos contrários à abertura é a dificuldade de implantação do modelo --que implicaria na troca de cerca de 82 milhões de relógios de energia, por exemplo.

O estudo defende, no entanto, que a substituição prévia dos equipamentos não é necessária, embora afirme que a troca por relógios digitais possibilitaria maior controle sobre o consumo.

"A partir daí é possível evitar tomar banho nesses horários [de maior custo] e ter uma economia ainda maior, por exemplo", diz Medeiros.