Mercado abrirá em 8 h 41 min
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,14
    -0,36 (-0,40%)
     
  • OURO

    1.766,70
    -4,50 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    22.794,60
    -638,07 (-2,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    541,81
    -15,92 (-2,85%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.852,92
    +89,01 (+0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.940,37
    -1,77 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.500,00
    -23,25 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2115
    -0,0023 (-0,04%)
     

Mercado já projeta Selic de até 14,50% com disparada do dólar

(Bloomberg) -- O mercado de juros futuros já precifica uma Selic próxima a 14,50% no final do ciclo de aperto monetário, acima dos 14,25% da taxa final observada no aperto encerrado em 2016. As taxas avançam no mercado com o receio de que a disparada do dólar aumente as pressões inflacionárias, ofuscando parcialmente a queda das commodities e o efeito do corte de impostos.

“Acho que, se eles aceitam passivamente a desvalorização do real, devem então adicionar aperto monetário”, diz Tony Volpon, estrategista da Wealth High Governance e ex-diretor do Banco Central. Ele diz que o BC não compartilha da visão em favor de uma maior intervenção no câmbio, que poderia trazer algum alívio para o dólar e a inflação - o que permitiria juros menos elevados. “Então eu acho que deveriam mesmo puxar a Selic acima de 14%”.

A curva de juros de curto prazo precifica uma nova elevação de 0,50 ponto percentual da Selic em agosto, seguida por altas menores nas reuniões seguintes, com a taxa atingindo entre 14,25% e 14,50% entre o final deste ano e o início de 2023.

O dólar já subiu mais de 3% esta semana com a alta da inflação e o aumento das apostas na elevação de juros nos EUA. Em um mês, o real acumula perda de quase 6%, o quinto pior desempenho entre 24 moedas emergentes compiladas pela Bloomberg.

O real está passando por uma desvalorização aguda, o que dá ao BC incentivo para subir o juro mais agressivamente, diz Brendan Mckenna, estrategista de câmbio do Wells Fargo em New York. “Quanto mais o real se enfraquece, também aumenta a probabilidade de repasse para a inflação”.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos