Mercado abrirá em 8 h 53 min
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,35 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,43 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,58
    -0,18 (-0,20%)
     
  • OURO

    1.802,30
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    23.830,78
    +526,02 (+2,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    556,92
    +14,04 (+2,59%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,07 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.482,37
    +42,63 (+0,57%)
     
  • HANG SENG

    20.229,17
    +183,40 (+0,91%)
     
  • NIKKEI

    28.019,29
    -229,95 (-0,81%)
     
  • NASDAQ

    13.215,75
    +32,50 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2097
    +0,0003 (+0,01%)
     

Mercado imobiliário dos EUA começa a piorar com juros altos

(Bloomberg) -- Os preços dos imóveis começam a cair, negócios entram em colapso e os credores recuam em uma piora no mercado imobiliário americano. Mesmo favoritos do setor de propriedades comerciais, como armazéns, cujos valores dispararam durante a pandemia, perdem força à medida que as taxas de juros sobem.

Steven Lurie, um advogado do setor imobiliário em Los Angeles, disse que os negócios de clientes para uma propriedade industrial em Portland e apartamentos em Denver desmoronaram com o aumento de juros em maio. Em junho, um comprador retirou uma oferta de quase US$ 18 milhões para um novo prédio de apartamentos perto de Los Angeles. Uma outra oferta chegou este mês por 10% a menos.

“Os termos mudaram”, disse Lurie, do escritório Greenberg Glusker.

O setor imobiliário comercial é um retardatário na desaceleração dos investimentos este ano, em que os mercados de ações e títulos despencarem junto com ativos especulativos como criptomoedas. À medida que o custo do financiamento aumenta, investidores com US$ 5 trilhões em dívidas imobiliárias comerciais enfrentam uma reavaliação de suas participações e perspectivas de lucros.

As transações de propriedades comerciais nos EUA atingiram um recorde de US$ 375,8 bilhões no primeiro semestre, um indicador defasado porque os negócios geralmente levam meses para serem fechados, de acordo com Jim Costello, economista-chefe para o setor imobiliário da MSCI Real Assets. O mercado agora está desacelerando rapidamente, disse ele.

“É quase como aquele momento do coiote” no desenho do Papa-Léguas, disse Costello, referindo-se ao personagem de desenho animado que só percebe que vai cair quando é tarde demais. “Todos os outros sinais dizem que deve haver algum tipo de mudança à frente – uma queda nos preços.”

Já há sinais de queda: os preços dos imóveis comerciais nos EUA caíram 5% no segundo trimestre e podem cair até 5% a mais este ano, de acordo com Peter Rothemund, co-chefe de pesquisa estratégica da Green Street. Os preços dos apartamentos caíram 4% em junho em relação a maio, enquanto os valores dos armazéns caíram 6%, informou a Green Street.

Com a demanda por armazenamento e moradia acima da oferta, os investidores há anos tem pago mais por armazéns e apartamentos. Os preços ainda estão 42% acima dos níveis pré-pandemia para propriedades industriais e 16% acima para apartamentos, segundo dados da Green Street. Mas agora, credores e potenciais compradores refazem suas contas com base em custos mais altos de financiamento.

O crédito imobiliário comercial deve encolher 18% este ano, para US$ 733 bilhões, de acordo com a associação de credores imobiliários americana. Essa é uma reversão gritante desde meados de fevereiro - antes da Rússia invadir a Ucrânia e o Federal Reserve começar a subir juros - quando a associação projetava mais de US$ 1 trilhão em financiamento.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos