Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    +0,25 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -3,70 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    19.195,27
    -102,26 (-0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    +22,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    +0,0060 (+0,11%)
     

Mercado global de carga mostra desânimo com Natal após sinais de menor demanda

Por Jamie Freed e Casey Hall

SIDNEY/XANGAI (Reuters) - Gigantes do comércio global, como FedEx e Cathay Pacific Airways, veem uma temporada de compras de final de ano mais nebulosa, à medida que a desaceleração dos negócios aponta uma menor demanda do consumidor ante o inicialmente previsto.

A perspectiva negativa ganha tração uma vez que consumidores em todo o mundo lutam para lidar com os custos crescentes de alimentos, combustível e moradia, enquanto os chineses ainda sentem o impacto adicional na economia das duras restrições à Covid-19 no país.

"A falta de uma 'onda do frete' com reabertura da China foi um sinal negativo para a demanda" do setor, disseram analistas do JPMorgan, que rebaixaram a recomendação para as ações da FedEx a "neutra", de "overweight".

Por volta de 11h, as ações da FedEx desabavam 22,7% em Wall Street, após a companhia alertar para os impactos da desaceleração global em seus negócios na noite da véspera, bem como divulgar números trimestrais preliminares abaixo do esperado.

O anúncio também derrubou papéis de outras empresas do setor, como a Deutsche Post - proprietária da gigante de logística DHL -, que cedia 5,8% em Frankfurt. Além disso, contamiva os principais índices de ações em Wall Street.

A temporada de final do ano, que inclui o Natal, geralmente é frenética para o setor, com o transporte de recém-lançados smartphones, brinquedos e roupas de fábricas na Ásia para os Estados Unidos e Europa.

Mas varejistas ocidentais, incluindo Costco e Macy's, registraram prateleiras transbordando de mercadorias não vendidas, sugerindo que a demanda foi mal avaliada e que provavelmente serão mais cautelosas no reabastecimento.

A Cathay Pacific Airways, de Hong Kong, alertou que a alta temporada de carga deste ano pode ser mais fraca do que a do ano passado por causa da inflação e das políticas de Covid-19 da China. Já a transportadora francesa CMA CGM afirmou que a fraqueza nos gastos do consumidor está reduzindo a demanda e as taxas de frete.

As taxas de transporte marítimo de contêineres da Ásia para a Costa Oeste dos EUA caíram quase três trimestres desde o início do ano, para o nível mais baixo desde maio de 2020, de acordo com a plataforma de reservas Freightos Group.

Os volumes mundiais de carga aérea recuaram 11% na primeira semana completa de setembro em relação ao ano anterior, de acordo com a WorldACD Market Data, que disse que ainda não ver sinais claros de retomada.

Já o Índice de Frete Aéreo do Báltico, alimentado por dados da TAC, que atingiu recordes em dezembro com um rali de alta temporada impulsionado pela pandemia, caiu quase 40% desde então.

"Normalmente, os preços se fortalecem nesta época do ano à medida que a alta temporada se aproxima, mas ainda há poucos sinais de que isso vá acontecer", disse a TAC Index em uma atualização de mercado semanal.

(Reportagem adicional de Miyoung Kim)