Mercado fechará em 5 h 45 min
  • BOVESPA

    110.188,14
    -0,43 (-0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.020,65
    +221,19 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,37
    +0,12 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.786,40
    +4,00 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    16.838,18
    -182,01 (-1,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,71
    -7,10 (-1,77%)
     
  • S&P500

    3.941,26
    -57,58 (-1,44%)
     
  • DOW JONES

    33.596,34
    -350,76 (-1,03%)
     
  • FTSE

    7.512,42
    -8,97 (-0,12%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.450,50
    -115,50 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5001
    +0,0214 (+0,39%)
     

Mercado financeiro reage a Lula: dólar dispara e ações do Brasil caem

Mercado financeiro reage a Lula: dólar dispara e ações do Brasil caem. REUTERS/Amanda Perobelli
Mercado financeiro reage a Lula: dólar dispara e ações do Brasil caem. REUTERS/Amanda Perobelli

Na primeira manhã após Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ser eleito presidente do Brasil, o mercado financeiro deu o start das reações. O dólar comercial ficou cotado R$ 5,3 logo às 9h desta segunda-feira (31), e a avaliação dos analistas é que ocorra queda na Bolsa: ações como da Petrobras despencaram - a estatal teve papéis no exterior com queda de mais de 10% nas negociações.

Os indicadores financeiros da Economia, como Ibovespa, dólar e juros, devem depender do que o presidente eleito vai tocar sobre a agenda. Os investidores também aguardam a reação do derrotado Jair Bolsonaro (PL), que se mantém em silêncio há mais de 12h após o resultado do pleito.

Além da estatal Petrobras, há quedas na Vale (-4.88%) e na Companhia Siderúrgica Nacional (-5.74%).

Lula foi eleito presidente do Brasil nesta domingo (30) com 50,83% dos votos. O petista vai atingir a marca de três mandatos na presidência da República, depois de ficar no cargo de 2002 a 2010. O vice-presidente será Geraldo Alckmin (PSB), a partir de 2023.

Conforme falou para a Folha, especialista crê em instabilidade diante dos gastos públicos do país. "Há um temor quanto ao futuro da economia do país dado que, obviamente, a revogação do teto de gastos aumentaria o risco fiscal", comentou Jansen Costa, sócio da Fatorial Investimentos.

"A eleição para presidente e governador deve impactar na expectativa do mercado em relação às privatizações, economia e educação. A decisão da equipe econômica deve causar alívio ou receio. Ações radicais devem ser manter distantes após decisão apertada. O mercado aguarda decisão dos juros nos EUA com sentimento receoso, com bolsas caindo e dólar em alta. A reação do atual presidente Bolsonaro também deve ser decisiva para resposta do mercado", avaliou Daniel Silva Pontes, especialista em Economia da SWAP Câmbio e Capitais Internacionais.