Mercado fechará em 3 h 54 min
  • BOVESPA

    122.147,62
    +266,80 (+0,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.227,14
    +7,88 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,11
    +0,74 (+1,13%)
     
  • OURO

    1.866,90
    +28,80 (+1,57%)
     
  • BTC-USD

    43.601,47
    -3.977,10 (-8,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.205,09
    +7,17 (+0,60%)
     
  • S&P500

    4.150,93
    -22,92 (-0,55%)
     
  • DOW JONES

    34.209,85
    -172,28 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.236,00
    -151,00 (-1,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3903
    -0,0137 (-0,21%)
     

Mercado externo influencia dólar, que fecha o dia estável

Wellton Máximo - Repórter da Agência Brasil
·2 minuto de leitura

Depois de cinco quedas seguidas, o dólar fechou estável nesta terça-feira, influenciado pelo mercado externo. A bolsa de valores voltou a cair, com investidores vendendo ações para embolsarem ganhos recentes.

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (20) vendido a R$ 5,551, com alta de 0,01%. A cotação teve um dia de volatilidade, iniciando o dia em alta, caindo para R$ 5,50 na mínima do dia, por volta das 11h30, e anulando a queda durante a tarde.

O mercado de ações teve um dia de perdas. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 120.062 pontos, com recuo de 0,72%. O indicador operou quase toda a sessão em queda, influenciado pelo desempenho das bolsas norte-americanas, que também caíram, e pela realização de lucros, com investidores vendendo papéis após três semanas de alta na bolsa.

O mercado financeiro internacional teve um dia de ajustes, com o dólar fechando estável ou subindo em relação às principais moedas. O aumento de casos de covid-19 em diversos países desenvolvidos pesou no mercado externo, mas a moeda norte-americana continua próxima dos níveis mais baixos em quase dois meses.

No Brasil, a aprovação do projeto que modifica a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021 e abre caminho para o fechamento de um acordo em relação aos vetos parciais ao Orçamento foi bem recebida pelos investidores.

O texto permite que o governo corte cerca de R$ 9,5 bilhões em gastos discricionários (não obrigatórios) por meio de decreto, mas abre brecha para a exclusão de R$ 40 bilhões do teto federal de gastos.

Os gastos que podem ser retirados do teto estão relacionados ao enfrentamento da pandemia de covid-19. Desse total, R$ 10 bilhões destinam-se ao programa de preservação do emprego, R$ 10 bilhões ao crédito a pequenos negócios e R$ 20 bilhões à saúde.

Para compensar os gastos extras e recompor o orçamento de gastos obrigatórios, o acordo prevê que o presidente Jair Bolsonaro vete cerca de R$ 10,5 bilhões de emendas parlamentares aprovadas no Orçamento deste ano.

*Com informações da Reuters.