Mercado abrirá em 3 h 45 min
  • BOVESPA

    102.814,03
    +589,77 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.796,30
    +303,78 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,43
    -1,52 (-2,17%)
     
  • OURO

    1.794,60
    +9,40 (+0,53%)
     
  • BTC-USD

    56.604,08
    -803,39 (-1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.426,53
    -2,40 (-0,17%)
     
  • S&P500

    4.655,27
    +60,65 (+1,32%)
     
  • DOW JONES

    35.135,94
    +236,60 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.100,61
    -9,34 (-0,13%)
     
  • HANG SENG

    23.492,48
    -359,76 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.821,76
    -462,16 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.323,75
    -67,00 (-0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3506
    +0,0214 (+0,34%)
     

Mercado espera Copom mais duro com revés do teto e inflação alta

·4 min de leitura

(Bloomberg) -- O Copom deve elevar a Selic, hoje em 6,25%, pela 6ª vez seguida nesta quarta-feira e acelerar o ritmo de alta de 1 ponto percentual para 1,5pp, segundo economistas, no que pode ser o maior aumento em duas décadas. Operadores do mercado de juros futuros apostam em alta ainda maior, de até 2pp, após a revisão do teto de gastos e do IPCA-15 de outubro acima do esperado, contrariando a ideia de um pico em setembro.

Most Read from Bloomberg

Bancos como o JPMorgan, Credit Suisse, BTG, Barclays e o UBS revisaram suas projeções para alta maior da Selic desde que a mudança do teto de gastos deteriorou as expectativas inflacionárias e pressionou o câmbio. O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o BC não pode ficar atrás da curva no combate à inflação.

Analistas acreditam que o BC também deve endurecer o tom do comunicado. Os principais pontos a serem observados são eventual sinalização do ritmo para a reunião seguinte, piora da avaliação do cenário fiscal e compromisso de convergência para a meta em 2022.

Veja o que dizem os analistas:

Cassiana Fernandez e Vinicius Moreira, do JPMorgan

  • Já haviam revisado a projeção de 1 pp para 1,25 pp na semana passada, para logo depois subiram novamente a 1,5 pp nesta semana

  • Comunicado deve apontar para pelo menos outra alta da mesma magnitude em dezembro, seguida por mais duas altas de 1pp em 2022

  • O fracasso em restaurar a confiança sobre as perspectivas de política de médio prazo deve levar a uma resposta mais agressiva do BC

Alberto Ramos, economista-chefe para América Latina do Goldman Sachs

  • BC deve acelerar o ritmo de alta da Selic para 1,5pp

  • Banco também vê probabilidade de 20% de aumento entre 1,75 pp e 2,0 pp

  • “Em um cenário de intensas pressões inflacionárias e piora do balanço de riscos, a probabilidade de o BC conseguir levar a inflação para a meta de 3,50% em 2022 é baixa”

Mario Mesquita, economista-chefe do Banco Itaú

  • Reitera previsão de alta de 1,5pp da Selic mesmo após IPCA-15

  • Ritmo é suficientemente forte diante da maior incerteza fiscal e pressões inflacionárias

Solange Srour e Lucas Vilela, economistas do Credit Suisse

  • Banco elevou expectativa de alta de Selic de 1,25 pp para 1,5pp, depois de já ter feito ajuste para cima na semana passada

  • Vê Selic a 11,5% em 2022

  • IPCA-15 mostra “dinâmica muito desfavorável”

  • “Taxas neutras mais elevadas provocadas pelo enfraquecimento do quadro fiscal e pior balanço de riscos para a inflação farão com que o BC eleve a Selic mais rápido e para uma taxa terminal mais alta para limitar o aumento das expectativas de inflação”

Roberto Secemski, economista do Barclays

  • Vê riscos de alta em sua projeção de aumento da Selic de 1,50 pp nesta quarta

  • Na sexta-feira, havia revisado projeção de 1pp para 1,5pb

  • Revisão foi em resposta à deterioração do balanço assimétrico de riscos para a inflação devido aos desdobramentos políticos da semana passada que culminaram no enfraquecimento da única âncora fiscal

Leonardo Porto, Paulo Lopes e Thais Ortega, economistas do Citigroup

  • Prevêem alta de 1,5pp nas próximas duas reuniões, elevando taxa a 9,25% até dezembro e até 11% em março de 2022

  • Revisão do teto de gastos implica um afrouxamento da política fiscal e fere sua credibilidade como âncora fiscal

  • Pressões inflacionárias são mais generalizadas e persistentes

Sergio Goldenstein, estrategista-chefe da Renascença

  • “IPCA-15 foi a pá de cal”, com abertura “bem ruim”, o que se soma à mudança do regime fiscal e à forte piora das expectativas de inflação e das implícitas

  • Copom não pode ficar “atrás da curva”, sob o risco de perder credibilidade

  • Prevê alta de 1,5 pp, com o comunicado reconhecendo piora do balanço de riscos; não descarta aumento maior

Cristiano Oliveira, economista-chefe do Banco Fibra

  • Cenário mais provável neste momento é alta 1,5 pp

  • Flexibilização da âncora fiscal, desancoragem das estimativas para inflação em 2023 e 2024 e a nova piora da qualidade da inflação observada no IPCA-15 tornam decisão do BC mais difícil

  • Vê comunicado mais duro, sinalizando alta na taxa de juros neutra pelo abandono da âncora fiscal

Gustavo Brotto, CIO da Greenbay Investimentos

  • Revisou expectativa de alta de 1,25pp para 1,5pp

  • Serviços vieram pressionados no IPCA-15, reforçando alta mais agressiva da Selic

João Leal, economista da Rio Bravo Investimentos

  • Mudou estimativa de alta de 1,25 pp para 1,50 pp

  • Além dos acontecimentos da semana passada, a perspectiva é de que a inflação permaneça elevada até o ano que vem, ameaçando o cumprimento da meta, e nesse cenário, o BC terá de ser mais tempestivo

Patricia Pereira, estrategista-chefe da Mag Investimentos

  • Prevê alta de 1,25 pp da Selic e não descarta 1,5 pp

  • Existem dúvidas sobre se BC continuará achando crível entregar a inflação na meta em 2022

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos