Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.533,02
    -774,69 (-1,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,70
    -1,27 (-1,76%)
     
  • OURO

    1.765,80
    +14,40 (+0,82%)
     
  • BTC-USD

    43.750,05
    -3.778,53 (-7,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.088,13
    -46,26 (-4,08%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.994,75
    -331,25 (-2,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2545
    +0,0551 (+0,89%)
     

Mercado eleva previsões para Selic no Focus em meio a inflação alta e piora do cenário econômico

·2 minuto de leitura
Prédio do Banco Central em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - As expectativas para a taxa básica de juros subiram tanto para o final deste ano quanto do próximo, em meio a novas elevações nas estimativas para a inflação e piora no cenário econômico, de acordo com a pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira.

Os especialistas consultados passaram a ver a Selic a 7,63% no final de 2021 na mediana das projeções e a 7,75% em 2022, contra 7,50% antes para ambos os casos.

O Banco Central volta a se reunir nos dias 21 e 22 de setembro para decidir sobre os juros diante de um pano de fundo de inflação persistentemente alta e fraqueza da atividade econômica.

Nos 12 meses até julho, a inflação acumulou alta de 8,99%, e o levantamento semanal apontou expectativa de avanço do IPCA de 7,58% este ano e 3,98% no próximo. Na semana anterior, as projeções eram de 7,27% e 3,95%.

O cenário inflacionário se complica ainda mais com a implementação da bandeira tarifária "escassez hídrica", que trará aumento adicional de 6,78% na tarifa média dos consumidores regulados.

O centro da meta oficial para a inflação em 2021 é de 3,75% e para 2022 é de 3,50%, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Para a economia, as estimativas foram reduzidas para ambos os anos, chegando a um aumento previsto do Produto Interno Bruto de 5,15% em 2021 e 1,93% em 2022, de 5,22% e 2,00% antes. Entre abril e junho, o PIB brasileiro registrou queda de 0,1%, mostrando perda de força depois de uma expansão de 1,2% no primeiro trimestre e abaixo da expectativa de um avanço de 0,2%.

(Por Camila Moreira)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos