Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.690,17
    +1.506,22 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.004,19
    -373,28 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,89
    +0,06 (+0,09%)
     
  • OURO

    1.689,60
    -11,10 (-0,65%)
     
  • BTC-USD

    46.626,34
    -4.220,91 (-8,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    930,66
    -56,55 (-5,73%)
     
  • S&P500

    3.768,47
    -51,25 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    30.924,14
    -345,95 (-1,11%)
     
  • FTSE

    6.650,88
    -24,59 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    28.733,78
    -503,01 (-1,72%)
     
  • NIKKEI

    28.472,57
    -457,54 (-1,58%)
     
  • NASDAQ

    12.347,75
    -107,25 (-0,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7821
    -0,0038 (-0,06%)
     

Mercado eleva previsão para Selic em 2021 a 3,75% em meio a inflação mais alta

·1 minuto de leitura
Mercado eleva previsão para Selic em 2021 a 3,75% em meio a inflação mais alta

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado elevou a expectativa para a taxa básica de juros neste ano, ao mesmo tempo que deu continuidade à tendência de elevação da projeção da inflação, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta quarta-feira.

O levantamento semanal apontou que a expectativa para a Selic aumentou a 3,75% no final de 2020, de 3,50% antes. Para 2022, segue projeção de juros básicos a 5,0%. A meta Selic está atualmente na mínima recorde de 2,00%.

O movimento ocorre na esteira da sexta elevação seguida na conta para a inflação, com a alta do IPCA agora calculada em 3,62% para este ano, de 3,60% na semana anterior. Para 2022, os economistas consultados ainda veem inflação de 3,49% na mediana das projeções.

A pesquisa mostrou que o cálculo da alta dos preços administrados em 2021 aumentou em 0,16 ponto percentual, chegando a 4,60%. Para 2022, o aumento foi de 0,14 ponto, para 3,94%.

O centro da meta para a inflação em 2021 é de 3,75%. Para 2022, o objetivo é de IPCA em ​3,50%. Em ambos os anos a margem de tolerância é de 1,5 ponto percentual, para mais ou para menos.

Para o Produto Interno Bruto (PIB), a estimativa de crescimento neste ano caiu pela segunda vez seguida, a 3,43%, de 3,47% no levantamento anterior, permanecendo em 2,50% para 2022.

(Por Camila Moreira)