Mercado fechará em 2 h 42 min
  • BOVESPA

    107.199,99
    -1.251,21 (-1,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.523,30
    +81,09 (+0,18%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,74
    +0,59 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.667,50
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    19.479,19
    -74,62 (-0,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,11
    -0,88 (-0,20%)
     
  • S&P500

    3.635,14
    -83,90 (-2,26%)
     
  • DOW JONES

    29.162,71
    -521,03 (-1,76%)
     
  • FTSE

    6.881,59
    -123,80 (-1,77%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.165,75
    -390,00 (-3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2724
    +0,0398 (+0,76%)
     

Mercado dobra aposta em aumento de 0,25 p.p. do juro pelo BC neste mês

Homem caminha em frente à sede do Banco Central, em Brasília

(Reuters) - Os mercados financeiros agora veem menos chances de estabilidade da Selic na próxima reunião do Copom, ainda neste mês, e queda dos juros mais distantes, em meio a uma forte correção de preços na curva de DI após declarações de autoridades do Banco Central consideradas duras e indicativo de que o ciclo de alta da taxa pode não ter se encerrado.

Segundo opções digitais da B3, a probabilidade de manutenção do juro básico em 13,75% ao ano no próximo dia 21 caiu de 81% na véspera para 68% nesta tarde. Ao mesmo tempo, a chance de elevação de 0,25 ponto percentual, para 14%, pulou de 15% para quase 30%.

Mais à frente, a taxa de depósito interfinanceiro (DI) de um dia --uma medida do juro trocado entre instituições financeiras, que é muito próximo ao CDI, entre hoje e o vencimento-- sobe até maio de 2023 e começa a cair levemente em junho.

Na segunda-feira, o pico de taxa na curva de DI era alcançado em março. Em outras palavras, o mercado está postergando o início do ciclo de queda da Selic.

Na noite de segunda-feira, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que o BC não pensa em queda de juros neste momento, mas em convergir a inflação às metas, ressaltando que a situação inspira cuidados e que a batalha contra a alta de preços no país não está ganha.

Nesta manhã, o diretor de Política Monetária do Bacen, Bruno Serra, foi ainda mais explícito e disse que o banco discutirá um possível ajuste residual na taxa básica de juros neste mês, acrescentando que o processo de controle inflacionário no Brasil ainda é bem incipiente.

Ambos adotaram tônicas consideradas mais "hawkish", jargão da comunidade financeira que se refere a uma abordagem mais inclinada à contração da política monetária, implicando restrição de liquidez.

(Por José de Castro)