Mercado fechará em 5 h 31 min
  • BOVESPA

    101.282,06
    +22,31 (+0,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,52 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,04
    -0,81 (-2,03%)
     
  • OURO

    1.902,70
    -2,50 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    13.170,82
    +93,80 (+0,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,86
    +2,41 (+0,92%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,13 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.853,16
    -7,12 (-0,12%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.574,00
    -89,50 (-0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6577
    -0,0062 (-0,09%)
     

Mercado de ações pode viver “década perdida”, diz analista

Marcus Couto
·2 minutos de leitura
Segundo diretor de fundo, mercado de ações pode viver "década perdida". (Foto: Behrouz MEHRI / AFP) (Photo by BEHROUZ MEHRI/AFP via Getty Images)
Segundo diretor de fundo, mercado de ações pode viver "década perdida". (Foto: Behrouz MEHRI / AFP) (Photo by BEHROUZ MEHRI/AFP via Getty Images)

O mercado de ações pode estar diante de uma “década perdida” em termos de ganhos e lucros para investidores, segundo Ray Dalio, bilionário americano diretor de um dos maiores fundos do mundo, o Bridgewater Associates. As informações foram divulgadas pela Bloomberg.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Segundo o analista, algumas macro tendências em movimento hoje na economia global apontam para essa possibilidade, como o esfriamento do processo de globalização, que foi nos últimos anos um grande responsável pelos altos lucros nos mercados de ações. Dalio avalia que as empresas tendem a olhar, daqui pra frente, menos para a otimização de custos, e mais para a confiabilidade de suas cadeias de suprimentos.

Leia também

Ele cita como exemplo a repatriação da produção de insumos para os países onde as empresas estão instaladas – ao contrário da tendência que se observou nas últimas décadas, de obter esses insumos de países com mão de obra e custo laboral mais baixo, como os asiáticos, entre elas a China.

“A globalização, talvez o maior motor da rentabilidade no mundo desenvolvido nas últimas décadas, já chegou a seu pico”, diz o analista.

Além disso, a pandemia do COVID-19 e o crescente atrito entre Estados Unidos e China devem acelerar essas tendências que já vinham sendo observadas. Para o diretor de fundo, muitas empresas devem “morrer” durante essa crise, e outras sairão mais endividadas.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.