Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    47.318,16
    -9.483,22 (-16,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Mercado de criptomoedas supera US$ 3 trilhões

·2 min de leitura
Representação física dos bitcoins, em Istambul, Turquia, em 20 de outubro de 2021 (AFP/Ozan Kose)

O mercado de criptomoedas superou nesta segunda-feira (8) pela primeira vez a quantia de US$ 3 trilhões, em um contexto de interesse cada vez maior de investidores tradicionais, seduzidos por altas vertiginosas, mas preocupados com a inflação.

O mercado das criptomoedas representava às 10h GMT (7h de Brasília) desta segunda-feira US$ 3,7 trilhões, segundo a página CoinGecko, que monitora o mercado de mais 10.000 criptomoedas.

Como acontece com frequência no setor, os analisas encontram dificuldades para explicar o grande aumento desta segunda-feira.

"O mercado das criptomoedas aumenta com uma velocidade assombrosa", declarou à AFP Ipek Ozkardeskaya, analista de mercados para a SwissQuote. Para ela, existe "uma parte de especulação e uma parte de realidade".

Desde o fim de outubro, os mercados americanos têm acesso a um fundo indexado (ETF, na sigla em inglês) à evolução do bitcoin, que permite aos investidores apostar na alta da primeira criptomoeda sem sair de Wall Street.

Ao contrário do euro, ou do dólar, o número de bitcoins foi fixado em 21 milhões, emitidos pouco a pouco, uma regra impossível de mudar sem controlar a integridade da rede descentralizada.

Alguns investidores acreditam, portanto, que as criptomoedas são uma forma de proteção contra a inflação, que aumenta tanto na Europa quanto na América do Norte.

"É uma estratégia muito arriscada, dada a volatilidade da criptomoeda e vendo como seu valor pode sofrer a pressão dos reguladores, ou inclusive de comentários nas redes sociais", alerta Susannah Streeter, analista de mercado da Hargreaves Lansdown.

O bitcoin (+5%, a US$ 66.035 às 10h10 GMT) se aproximava do valor máximo histórico, enquanto o ethereum, a segunda maior criptomoeda em tamanho de mercado, subia 2%, a US$ 4.727.

Tanto o bitcoin como o ethereum representam mais de 40%, e pouco menos de 20%, do mercado, respectivamente. A volatilidade das pequenas criptomoedas é maior.

O Shiba Inu, um criptoativo criado para rivalizar com o Dogecoin, alcançou no fim de outubro um tamanho teórico de US$ 40 bilhões, tornando-se a décima maior criptomoeda. Poucos dias depois, perdeu US$ 10 bilhões.

"É pouco provável que os campeões de hoje sejam os sobreviventes de amanhã", destaca Ozkardeskaya, que teme "uma bolha do mesmo tipo que a da Internet" nos anos 2000.

js/ved/cco/sag/zm/fp/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos