Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    35.390,97
    -3.520,80 (-9,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Mercado de avatares digitais cresce com potencial de lucro no metaverso

·2 min de leitura

O ano de 2021 marcou o surgimento de um potencial mercado no Brasil: o das influenciadoras criadas digitalmente. Há anos a Magazine Luiza tem a Lu do Magalu, e em novembro a Satiko, inspirada na apresentadora e empresária Sabrina Sato, causou bastante repercussão. São fatores que demonstram um interesse do mercado e do público nesse tipo de personagem.

No exterior, modelos digitais como Shudu, Miquela, J-Yung, Daisy, Candy e outras rendem milhões de dólares nos mercados da moda e publicidade, segundo reportagem da Folha de S. Paulo.

Uma das mais bem sucedidas do gênero é Miquela Sousa, personagem criada em 2016 como uma "brasileira-americana de 19 anos" que já tem 3 milhões de seguidores no Instagram, além de ter posado com personalidades como a atriz Millie Bobby Brown (de "Stranger Things") e a cantora Pabllo Vittar. Segundo a Vogue, empresas pagam no mínimo US$ 8.500 (R$ 48,4 mil) para que Miquela cite suas marcas em seu perfil no Instagram.

O movimento está alinhado com a recente tendência do metaverso, um mundo 3D virtual compartilhado, imersivo via realidade aumentada ou virtual e colaborativo — e uma das vedetes da Meta, nova empresa controladora do Facebook.

Modelo digital Shudu (Imagem: Divulgação/The Diigitals)
Modelo digital Shudu (Imagem: Divulgação/The Diigitals)

Shudu é uma criação do designer Cameron-James Wilson, dono da agência dos EUA The Diigitals, focada em modelos virtuais. Desde 2018 ela está apta a embelezar catálogos de moda e já acumula 219 mil seguidores no Instagram.

A Biobotics, que diz ser a primeira agência de modelos digitais no Brasil, tem 25 funcionários e atua desde a modelagem 3D do avatar à animação e ao gerenciamento do personagem nas redes sociais. "Vimos que era uma tendência nos Estados Unidos, na Ásia, com grandes empresas e artistas patrocinando avatares. Não havia no Brasil um trabalho nesse sentido, a não ser a Lu, do Magalu, influenciadora virtual com o maior engajamento do planeta", disse à Folha Rodrigo Tavares, presidente da Biobotics.

Lu do Magalu teve um grande ano de 2021 (Imagem: Divulgação/Magazine Luiza)
Lu do Magalu teve um grande ano de 2021 (Imagem: Divulgação/Magazine Luiza)

A personagem do Magazine Luiza iniciou a "carreira" como um bot de atendimento aos clientes do e-ecommerce em 2003 e atualmente, com seus 5,7 milhões de seguidores no Instagram, é "contratada" para aparecer em perfis de outras marcas. Neste ano, protagonizou o clipe de My Head (Can’t Get You Out) do DJ Alok, uma campanha publicitária com a cantora Anitta no lancamento da Magazine Luiza no Rio de Janeiro, e entrou na Super Dança dos Famosos, competição musical da Globo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos