Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.832,57
    +77,07 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Mercado Asiático encerra em queda com incertezas sobre inflação e Covid-19

·3 min de leitura

No Japão, a bolsa de Tóquio fechou no campo negativo, com seu foco mudando para o anúncio esperado nesta semana de novos estímulos econômicos. 

O índice de referência Nikkei 225 caiu 0,30%, para 29.598,66 pontos no encerramento das negociações.

O Shanghai Composite caiu 0,46%, o ASX subiu 0,13%, o Kospi da Coreia do Sul caiu 0,51%.

No cenário econômico, a inflação do Reino Unido acende o alerta para o aumento dos juros pelo Banco da Inglaterra. 

O aumento dos casos de Covid-19 na Europa e Ásia também esteve no radar, derrubando preços do petróleo, com receio de novas quedas de demanda.

Nos EUA os investidores continuam monitorando os relatórios de desempenho dos principais emissores de varejo em meio ao aumento da inflação.

A preocupação é de que o Federal Reserve (Fed) se sinta pressionado a aumentar os juros antes do previsto pela instituição.

Inflação no Reino Unido

Dados da inflação britânica mostraram que os preços tiveram a disparada mais rápida dos últimos dez anos.

O Índice de Preços ao Consumidor do Reino Unido subiu 4,2% no ano até outubro, de acordo com dados oficiais divulgados na quarta-feira (17/11). 

Esse é o maior salto no índice desde novembro de 2011, com o resultado sendo impulsionado por custos mais altos de energia e transporte. 

Além disso, a região também está sentindo as consequências do Brexit, o que aumenta o custo de fazer negócios com a União Europeia, seu maior parceiro comercial.

Com esses resultados, o mercado começa a esperar que o Banco da Inglaterra tome a iniciativa de aumentar as taxas de juros em dezembro. 

Isso colocaria o país como o primeiro das grandes economias mundiais a puxar o aumento do juro básico.

Petróleo em queda

Os preços mundiais do petróleo bruto caíram na quarta-feira (17/11) depois que a Agência Internacional de Energia (AIE) e a OPEP alertaram sobre o risco de excesso de oferta devido ao aumento dos casos de Covid-19 na Europa.

Os preços do Brent caíram 2,6%, para US$ 80,28 por barril. Já o WTI caiu 3%, para US$ 78,36 por barril.

O enfraquecimento dos preços mundiais do petróleo bruto teve um impacto sobre os emissores de energia na bolsa de valores australiana. 

Covid-19 volta a assombrar Europa e Ásia

Na última semana do mês de outubro, a Europa e a Ásia Central foram responsáveis por 59% de todos os novos casos da doença e 48% dos óbitos. 

Em números, foram quase 1,8 milhão de novos casos e 24 mil novas mortes relatadas em decorrência do coronavírus.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), se a tendência de alta se manter, essas regiões poderão registrar mais meio milhão de óbitos por covid-19 até fevereiro de 2022.

Hoje, os casos graves da doença têm se concentrado entre grupos não vacinados, especialmente em países com baixa cobertura vacinal.

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos