Mercado fechará em 9 mins
  • BOVESPA

    100.964,35
    +424,52 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.778,34
    +576,53 (+1,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,07
    -1,63 (-3,91%)
     
  • OURO

    1.927,90
    +12,50 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    12.763,20
    +1.706,19 (+15,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    255,96
    +11,07 (+4,52%)
     
  • S&P500

    3.454,08
    +10,96 (+0,32%)
     
  • DOW JONES

    28.329,46
    +20,67 (+0,07%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.639,46
    +72,42 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    11.725,25
    +64,50 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6556
    +0,0292 (+0,44%)
     

Por que mentir no currículo não é uma boa ideia

Finanças Internacional
·4 minutos de leitura
(Foto: Getty Images)
(Foto: Getty Images)

Na hora de resumir suas conquistas e habilidades para elaborar um currículo em poucas páginas, pode surgir a tentação de exagerar um pouquinho. Afinal, não está fácil conseguir um emprego, principalmente com tantos concorrentes qualificados e experientes.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

BAIXE O APP DO YAHOO FINANÇAS (ANDROID / iOS)

De acordo com uma pesquisa recente da CV-Library, 92,5% dos adultos do Reino Unido já mentiram no currículo e não foram pegos. Em um universo de mil entrevistados, 31,4% disseram que mentiriam no currículo sobre as datas de seus empregos passados e 27,1% sobre o período em que ficaram sem trabalhar.

Leia também

Aproximadamente 12,9% dos entrevistados afirmaram que mentiriam sobre a experiência profissional e 11,4% sobre as atribuições dos empregos anteriores. Além disso, quase 71,6% alegaram que ter conseguido passar para uma vaga contando algumas mentiras.

As pessoas mentem no currículo para parecer mais experientes e qualificadas e para conseguir um salário maior. Pode ser fácil se dar bem com uma ou outra mentirinha, mas será que vale a pena inventar conquistas?

O currículo é a primeira impressão que a empresa tem de você, portanto, ele precisa vender a sua imagem, mas sem deixar de ser verdadeiro. Se a mentira for descoberta, você não será visto com bons olhos no processo de recrutamento.

"Pode ser uma tentação mentir no currículo, principalmente se a concorrência para o cargo a que você está se candidatando for acirrada. ​Embora você possa​ se dar bem a princípio, qualquer recrutador mais experiente vai perceber a mentira logo cedo, e isso pode arruinar suas chances de conseguir o emprego", explica Lee Biggins, CEO e fundador da CV-Library.

Contratar alguém sem as qualificações necessárias para a vaga é uma perda de tempo para todos os envolvidos. Se você mentir e disser que domina certas tecnologias ou que tem determinadas qualificações, o empregador pode questionar essas habilidades e, se descobrir que você está mentindo, sua carreira na empresa será curta.

"Mesmo que você consiga enganar ​o recrutador, as mentiras vão aparecer assim que você começar a trabalhar e seu chefe vai descobrir que seu currículo não era legítimo", diz Lee.

Além disso, com o acesso à informação que a internet trouxe, ficou muito mais fácil descobrir se alguém está mentindo. Por exemplo, não é incomum ver pessoas copiando as realizações de outras para criar um perfil interessante no LinkedIn, mas o recrutador pode descobrir a verdade facilmente. É importante lembrar que você nunca sabe com quem vai trabalhar ou a influência que essas pessoas podem ter sobre sua carreira no futuro.

O risco de mentir também depende do conteúdo da farsa. Inventar uma formação acadêmica ou alterar as notas de uma curso pode ser considerado crime de fraude, o que pode acarretar sérias consequências.

Em 2019, uma mulher que mentiu no currículo e inventou referências para conseguir um emprego bem remunerado no governo regional australiano foi condenada a pelo menos um ano de prisão. Veronica Hilda Theriault foi condenada por fraude, improbidade e abuso de autoridade na sua candidatura para uma vaga de diretora de TI, em 2017. Ela chegou a ganhar 33 mil dólares australianos (cerca de 94 mil reais) em pouco mais de um mês, tempo que permaneceu no cargo.

Embora seja um exemplo extremo, o caso demonstra a gravidade desse tipo de fraude. Pode parecer algo bobo inventar boas referências ou omitir períodos em que você ficou sem emprego, mas a honestidade é muito mais segura.

Se você ficou um tempo sem trabalhar, encontre um aspecto positivo e explique como esse período ajudou você a aperfeiçoar suas habilidades e adquirir experiência.

Dizer a verdade não significa ficar para trás dos concorrentes, diz Lee.

"O segredo de um bom currículo é adaptá-lo à vaga disputada. Portanto, analise com calma as exigências do cargo e pense em como sua experiência profissional pode mostrar que você é capaz de dar conta do trabalho. Se você apresentar essas habilidades no currículo, com certeza o recrutador vai ficar impressionado".

Lydia Smith