Mercado fechará em 6 h 51 min
  • BOVESPA

    100.591,41
    0,00 (0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.435,45
    +140,65 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,74
    +1,98 (+1,77%)
     
  • OURO

    1.833,10
    +11,90 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    20.061,18
    -885,67 (-4,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    432,57
    -17,49 (-3,89%)
     
  • S&P500

    3.821,55
    -78,56 (-2,01%)
     
  • DOW JONES

    30.946,99
    -491,31 (-1,56%)
     
  • FTSE

    7.328,20
    +4,79 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    21.996,89
    -422,08 (-1,88%)
     
  • NIKKEI

    26.804,60
    -244,87 (-0,91%)
     
  • NASDAQ

    11.662,00
    -12,25 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4886
    -0,0555 (-1,00%)
     

Mensagem de CEO da PlayStation sobre aborto irrita funcionários

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Close-up of a pregnant woman's belly in the hospital bed with catheter in hand
Fala de executivo teria feito os colaboradores se sentirem desrespeitados (Getty Image)
  • O CEO da PlayStation enviou um e-mail para os funcionários falando sobre direito ao aborto

  • Jim Ryan disse na mensagem que "respeitar não é sinônimo de concordar"

  • O jornal Bloomberg afirmou que a fala gerou mal-estar no clima da empresa

A maior parte das grande empresas norte-americanas têm se posicionado contra as possíveis alterações da legislação que permite o término de uma gravidez indesejada. No entanto, algumas corporações ainda não assumiram uma postura contundente sobre o assunto.

Esse é o caso da PlayStation. Na semana passada, o CEO da companhia, Jim Ryan, enviou um e-mail para todos os funcionários pedindo que eles "respeitem opiniões diferentes" sobre o direito ao aborto nos Estados Unidos.

O site Bloomberg diz que a mensagem teria irritado os colaboradores. No texto, visto pelos repórteres do jornal, o executivo não se posicionou sobre o assunto. Ryam disse que a empresa é "multifacetada e diversa, contendo muitos diferentes pontos de vista".

Ele afirmou ainda que "nós devemos, uns aos outros e aos milhões de usuários do PlayStation, respeitar diferenças de opiniões de todas as pessoas em nossas comunidades internas e externas". Na ocasião, o CEO também teria ressaltado que "respeitar não é sinônimo de concordar".

Nas mensagens internas vistas pelo Bloomberg, algumas colaboradoras afirmaram terem sentido que seus direitos foram desrespeitados e banalizados pela mensagem do CEO gerando um clima de mal-estar da empresa.

Entenda o caso

Depois do vazamento de um rascunho de parecer da Suprema Corte dos Estados Unidos, que sugere a derrubada da decisão que concedeu aos norte-americanos o direito ao aborto, grandes corporações passaram a se posicionar em defensa dos direitos sexuais e reprodutivos de pessoas com útero.

Amazon, Microsoft, Tesla, Yelp e Citigroup declararam que vão prestar suporte a todas as pessoas do time de colaboradores que precisarem de ajuda para encerrar uma gravidez.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos