Mercado abrirá em 8 h 25 min
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,77
    -0,26 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.915,70
    -13,80 (-0,72%)
     
  • BTC-USD

    12.776,10
    +1.719,09 (+15,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    256,12
    +11,23 (+4,59%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.734,24
    -20,18 (-0,08%)
     
  • NIKKEI

    23.454,85
    -184,61 (-0,78%)
     
  • NASDAQ

    11.619,25
    -72,00 (-0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6510
    +0,0010 (+0,02%)
     

Menor volume de voos piora cenário para combustível de aviação

Javier Blas
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- O outono chegou ao hemisfério norte e, com a estação, uma nova queda do número de voos comerciais que causará alarme nas refinarias de petróleo globais, já que o excesso de combustível de aviação afeta a rentabilidade do setor.

As perspectivas para o combustível de aviação são fundamentais para o mercado de petróleo em geral, uma vez que refinarias se deparam com uma recuperação em duas velocidades da demanda frente ao impacto do coronavírus. Embora o consumo de gasolina tenha aumentado diante de passageiros que evitam o transporte público e se deslocam com os próprios carros, a demanda por diesel e combustível para aviação continua baixa.

A redução do número de voos também alarmaria a Arábia Saudita e a Rússia, líderes da aliança Opep+ que, em dois meses, precisarão avaliar se a demanda por petróleo se recuperou o suficiente para desacelerar os cortes de produção.

O número de voos comerciais diários no mundo todo caiu para o menor nível em três meses no início da semana, de acordo com dados do Flightradar24, um site que rastreia voos em tempo real. Embora os números diários sejam inconstantes, a média móvel de 7 dias, que é menos volátil, também mostra queda, atingindo o nível mais baixo desde meados de agosto.

O tráfego aéreo se recuperava de forma constante na esteira do coronavírus, mas ainda havia uma dúvida persistente sobre o que aconteceria quando as férias de verão terminassem nos países do hemisfério norte.

Embora a queda sazonal dos voos seja esperada, a recente baixa observada nos dados do Flightradar24 parece mais pronunciada do que no período comparável do ano passado - e em relação a uma base muito menor.

A esperança de uma recuperação do tráfego, que companhias aéreas esperavam começar no verão e melhorar até o fim do ano, diminuiu em meio aos crescentes casos de Covid-19 e volta das restrições de viagens, o que levou ao cancelamento de voos.

A Ryanair, maior companhia aérea de baixo custo da Europa, anunciou mais cortes de voos para outubro e alertou sobre reduções semelhantes em seus horários de inverno, de novembro a março. A Deutsche Lufthansa, que alertou sobre novos cortes dos serviços, disse à equipe no início do mês que as reservas de assentos para outubro correspondem a apenas 10% dos níveis do ano anterior.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.