Mercado abrirá em 7 h 37 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,42
    +0,15 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.869,60
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    45.384,85
    +2.180,47 (+5,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.263,36
    +65,45 (+5,46%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.527,74
    +333,65 (+1,18%)
     
  • NIKKEI

    28.446,52
    +621,69 (+2,23%)
     
  • NASDAQ

    13.350,00
    +46,50 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4168
    +0,0069 (+0,11%)
     

Membros da família real britânica não usarão uniformes militares no funeral de Philip

·2 minuto de leitura
Policiais diante do castelo de Windsor para os preparativos do funeral do príncipe Philip, em 15 de abril de 2021

Os membros da realeza britânica usarão trajes civis no funeral do príncipe Philip para evitar mostrar que príncipes têm direito ao uniforme militar, pensando especialmente em Harry, que abandonou a monarquia há um ano, informa a imprensa inglesa.

O duque de Edimburgo, falecido na sexta-feira da semana passada, será enterrado no sábado no castelo de Windsor, 50 km ao oeste de Londres, e devido à pandemia apenas 30 pessoas comparecerão ao funeral, em sua maioria parentes próximos.

O jornal The Sun e outros meios de comunicação informaram que a rainha Elizabeth II decidiu que todos devem usar roupas civis.

Em caso contrário, o funeral enfatizaria a perda dos títulos militares honorários de Harry, neto da rainha e ex-capitão do exército britânico, após sua conturbada saída da monarquia em 2020.

Harry, 36 anos, duque de Sussex e sexto na linha de sucessão, teve os títulos militares retirados depois de abandonar suas funções oficiais como integrante da família real e se mudar para a Califórnia com a esposa, a ex-atriz americana Meghan Markle.

Embora tenha participado em duas missões no Afeganistão, ele só pode usar um terno com medalhas de serviço.

Outro possível conflito é o do terceiro filho da monarca, o príncipe Andrew, ex-piloto de helicópteros da Marinha Real que participou na guerra das Malvinas de 1982.

Andrew, 61 anos, foi afastado da vida pública após o escândalo provocado por sua amizade com o falecido empresário pedófilo americano Jeffrey Epstein.

O duque de York deveria ter recebido a patente honorária de almirante por seus 60 anos, mas a nomeação foi suspensa.

De acordo com o jornal The Daily Telegraph, os membros da família real tiveram "discussões intensas", preocupados em envergonhar a família se Harry e Andrew - os únicos integrantes da realeza que serviram na frente de batalha - não vestissem o uniforme e outros sim.

A publicação conservadora destaca que a decisão final foi da rainha, que segundo o The Sun "atuou pessoalmente" para sugerir a norma de trajes civis.

A decisão permitirá à família real apresentar uma frente unida, ao menos no que diz respeito às roupas, enquanto o funeral terá um forte elemento militar devido ao passado do príncipe Philip como comandante da Marinha.

A participação de Harry na cerimônia será sua primeira aparição pública com a realeza desde que ele e Meghan, 39 anos, concederam uma entrevista explosiva na qual acusaram de racismo um integrante não identificado da família.

am-acc/zm/fp