Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.937,89
    -164,10 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.523,03
    -985,32 (-1,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,79
    -0,76 (-0,89%)
     
  • OURO

    1.831,40
    -11,20 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    38.167,06
    -4.408,47 (-10,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    893,54
    +650,86 (+268,20%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.426,75
    -414,25 (-2,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1945
    +0,0644 (+1,05%)
     

Membro do BCE diz que juros poderiam começar a subir em 2023

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Para Klaas Knot, membro do conselho do Banco Central Europeu, a instituição estará pronta para um aumento dos juros no início de 2023, depois de encerrar as compras de títulos restantes até o fim do ano que vem.

Most Read from Bloomberg

“Tudo está encaminhado para encerrar a compra de títulos restantes até o fim do próximo ano. E, quando isso for feito, a taxa básica de juros pode subir no início de 2023”, disse Know ao jornal holandês Trouw, em entrevista publicada na quinta-feira.

Perguntado se outros membros do BCE em Frankfurt teriam o mesmo prazo em mente, Knot disse: “Vamos ter que ver, mas acho que sim. Muito vai depender de como a economia se desenvolverá no ano que vem”.

No início do mês, o BCE confirmou que planeja encerrar as compras de títulos da pandemia, mas decidiu expandir temporariamente um antigo programa de flexibilização quantitativa para reduzir o impacto da transição.

Outros grandes bancos centrais têm apertado a política monetária mais rapidamente. O Federal Reserve dobrou o ritmo de saída do estímulo. E, no começo de dezembro, o Banco da Inglaterra pegou o mercado de surpresa com um aumento da taxa de juros - o primeiro entre os principais bancos centrais desde o início da pandemia - que foi justificado pela inflação “mais persistente”.

Por enquanto, a variante ômicron do coronavírus deve ter pouca influência sobre os preços em 2022, disse Knot. No entanto, se o impacto for maior, ele acredita que o BCE está pronto para mudar sua política mais rápido do que o planejado atualmente.

Knot, que também é presidente do banco central holandês, vê os riscos de uma inflação persistente um pouco mais fortes do que o BCE. Várias autoridades questionam a probabilidade de a inflação se desacelerar para exatamente 1,8% em 2023 e 2024 como apontam as previsões do BCE.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos