Mercado fechará em 3 h 12 min
  • BOVESPA

    109.129,25
    +1.750,33 (+1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.652,89
    +385,69 (+0,91%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,86
    +1,80 (+4,18%)
     
  • OURO

    1.799,30
    -38,50 (-2,09%)
     
  • BTC-USD

    19.296,74
    +844,78 (+4,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    381,02
    +11,26 (+3,05%)
     
  • S&P500

    3.617,49
    +39,90 (+1,12%)
     
  • DOW JONES

    29.969,04
    +377,77 (+1,28%)
     
  • FTSE

    6.415,87
    +82,03 (+1,30%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.934,00
    +28,75 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    -0,0477 (-0,74%)
     

Membro do BCE confirma possível estímulo sinalizado por Lagarde

Maria Tadeo, Piotr Skolimowski e Carolynn Look
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Robert Holzmann, membro do Banco Central Europeu, disse que é certo presumir que a presidente da instituição, Christine Lagarde, sinalizou que mais estímulos monetários estão a caminho, embora não até dezembro.

O presidente do banco central austríaco, normalmente entre os mais inclinados ao aperto monetário, também disse que novos instrumentos de política monetária podem ser desenvolvidos até lá para complementar os programas existentes de compra de títulos e empréstimos bancários. Holzmann disse que não vê muito sentido em cortar as taxas de juros.

“Colocamos muito dinheiro na mesa, mas a inflação praticamente não se mexeu, então há um reconhecimento crescente de que a quantidade por si só não resolve”, disse Holzmann em entrevista à Bloomberg Television. “Temos que olhar mais para a estrutura e ver como isso pode ser ajustado.”

Com o aumento das infecções por coronavírus e os novos lockdowns dos governos, Lagarde disse na quinta-feira que as autoridades de política monetária concordaram em “recalibrar” seu apoio para ajudar a aliviar o impacto econômico.

A forte recuperação da zona do euro no verão europeu - refletida nos dados de sexta-feira - pode se transformar em retração no quarto trimestre e uma possível recessão dupla.

Holzmann minimizou o risco de um duplo mergulho e se mostrou contrário à sugestão de Lagarde de que o Conselho do BCE poderia agir antes mesmo de reunião de 10 de dezembro se a situação se agravar.

“O que decidimos é fazer os preparativos, avaliar nosso portfólio e ver que área precisamos recalibrar para estarmos prontos para dezembro, mas a decisão será baseada nos dados de dezembro”, disse. “Está muito claro que usaremos as projeções de dezembro e as informações de dezembro para tomar nossas decisões.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.