Mercado fechará em 1 h 3 min

Melhores celulares da linha Redmi Note na história

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A linha Redmi Note marcou presença no mercado mobile pelo seu custo-benefício, principalmente frente ao público que é apegado em diferenciais que não impactam fortemente no bolso.

Prova disso é que os modelos da subsidiária da Xiaomi ganharam espaço no Brasil muito antes da gigante chinesa voltar a comercializar os seus produtos no país. Consequentemente, esses celulares influenciaram no impulsionamento da importação de smartphones.

Ao longo dessa década de trabalho da Redmi para proporcionar celulares atrativos — mesmo se inspirando fortemente em outras marcas famosas —, alguns modelos ganharam destaque e permitiram que o público aproveitasse para escolher entre os melhores.

Apesar de existirem muitas versões, há opções da linha Redmi Note que surpreenderam em momentos de renovação do mercado mobile. Quer saber quais são os melhores já lançados? Então, confira a nossa lista.

Redmi Note

O pioneiro

O modelo anunciado em 2014 surpreendeu os usuários de diversas formas. Seja pelo design semelhante ao implementado pela LG no Optimus F7 ou por indicar que uma nova marca estava chegando no mercado com tudo, o aparelho chamava a atenção pelo preço baixo em uma época em que o dólar estava bem atrativo.

Assim como grande parte dos celulares da Xiaomi, a experiência de unboxing do Redmi Note reservava como surpresa o fato de a marca não disponibilizar fone de ouvido na embalagem, diferente do que a maioria das fabricantes fazia na década passada.

Redmi Note (Imagem: Divulgação/PhoneDady)
Redmi Note (Imagem: Divulgação/PhoneDady)

Outro ponto que chamava a atenção no smartphone era a possibilidade de remover a bateria, pois atualmente nenhum aparelho de grande popularidade traz essa possibilidade.

Obviamente, essa opção facilitava o reparo do dispositivo, mas não era algo tão fácil para os brasileiros pelos custos para importação das peças e a falta de conhecimento dos técnicos aqui do país a respeito dos modelos da Xiaomi.

Sobre as especificações, é importante deixar claro que o Redmi Note não tinha grandes destaques quando comparado aos modelos da atualidade, mas era bem interessante para a época. Afinal, ele vinha com a plataforma MediaTek MT6592, 2 GB de memória RAM e 8 GB de armazenamento interno.

Já na parte fotográfica, eram apenas dois sensores, sendo um na traseira e outro para selfies de 13 MP e 5 MP, respectivamente. O aparelho também tinha tela LCD de 5,5 polegadas em resolução HD e fazia filmagens em Full HD.

Redmi Note 7

Câmera de 48 MP

Quando o Redmi Note 7 foi anunciado, o principal destaque dele não foi o design sóbrio adotado pela gigante chinesa, mas sim o fato de ele ser o primeiro modelo lançado pela empresa com um sensor de resolução chamativa.

Afinal, esse foi o smartphone que recebeu o sensor Samsung S5KGM1 de 48 MP. Esse foi o primeiro passo da Xiaomi para começar a despontar com resoluções chamativas em seus intermediários.

E não foi por acaso que esse se tornou um dos celulares com melhor custo-benefício da marca. O design dele era todo construído em materiais inimagináveis na época para um mid-range, como vidro Gorilla Glass 5 no verso.

Redmi Note 7 (Imagem: Divulgação/Xiaomi)
Redmi Note 7 (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

Na época em que o Redmi Note 7 foi lançado, a plataforma com alta popularidade para os modelos intermediários era o Snapdragon 660. Esse chipset entregava uma performance bem alinhada com a categoria do celular, e isso permitiu que o produto se destacasse ainda mais.

Outras especificações trabalhadas pela marca no Note 7 eram o sensor de 13 MP para selfies, opções de 3 GB, 4 GB e 6 GB de memória RAM, bem como alternativas de 32 GB, 64 GB e 128 GB de armazenamento interno.

Redmi Note 8

O celular com 4 câmeras mais vendido da história

O Redmi Note 8 foi a continuação de uma história de sucesso que a Xiaomi conseguiu iniciar — e muito bem — no Redmi Note 7. E não é por acaso que a 8ª geração do smartphone da linha mais popular da empresa quebrou diversos recordes.

Muitos números poderiam ser citados, mas o principal é o fato de a gigante chinesa ter demonstrado a sua grandeza com mais de 200 milhões de unidades vendidas entre 2019 e 2020. A surpresa da marca foi tão grande que ela resolveu relançar o dispositivo como Redmi Note 8 (2021).

Porém, essa segunda versão não trouxe novidades relevantes que permitissem uma retomada do interesse geral na mesma medida que foi visto anos antes. Mas voltando para o modelo que realmente merece destaque, várias especificações contribuíram para o sucesso.

Redmi Note 8 (Imagem: Ivo/Canaltech)
Redmi Note 8 (Imagem: Ivo/Canaltech)

Entre elas está o design com opções de cores chamativas e atrativas — principalmente o azul —, a traseira em vidro Gorilla Glass 5 e o conjunto de quatro sensores no verso de 48 MP, 8 MP (ultrawide), 2 MP (macro) e 2 MP (profundidade) que faziam companhia para a frontal de 13 MP.

Mesmo que muitas configurações sejam próximas das vistas no Redmi Note 7, o Note 8 ainda trouxe como vantagem a opção de filmagem em 4K, que era uma das vantagens de a marca explorar os diferenciais implementáveis com o chip Snapdragon 665.

Redmi Note 8 Pro

O primeiro gamer

E parece que a Xiaomi estava inspirada em 2019, pois o Redmi Note 8 Pro foi outro modelo que recebeu bastante destaque no mercado mobile. O aparelho foi caracterizado pela empresa como o primeiro focado no público gamer.

Isso se deve ao chipset MediaTek Helio G90T, que é uma linha de plataformas da fabricante de eletrônicos focada em dar mais performance para os celulares.

Esse “poder de fogo” é melhor aproveitado em aplicações que exploram mais gráficos em 3D e movimentos rápidos contínuos, como é o caso de grande parte dos jogos, principalmente os battle royale.

Redmi Note 8 Pro (Imagem: Divulgação/Xiaomi)
Redmi Note 8 Pro (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

Toda essa qualidade para a usabilidade fez com que o Redmi Note 8 Pro se tornasse um dos celulares intermediários mais procurados por jogadores amadores e até mesmo alguns que estavam iniciando a carreira profissional em campeonatos de PUBG e Free Fire.

Outra característica que chamava bastante a atenção no Note 8 Pro era a câmera principal de 64 MP. Essa configuração foi um salto em números para a empresa, e permitiu que o público aproveitasse algumas vantagens do sensor Samsung Bright S5KGW1 na prática em um celular da gigante chinesa.

Redmi Note 10

Tela Super AMOLED

Ao longo dos anos, muitos usuários de celulares da Xiaomi reclamavam da qualidade da tela dos aparelhos intermediários, quando comparados com modelos de outras fabricantes. Focando em aprimorar essa experiência visual, o Redmi Note 10 representou uma mudança positiva da marca.

Isso porque o aparelho foi o primeiro da categoria a ser anunciado pela empresa com painel Super AMOLED. Na prática, isso dá ao modelo características físicas mais próximas das vistas em intermediários premium, bem como em diversos topos de linha.

Redmi Note 10 (Imagem: Ivo/Canaltech)
Redmi Note 10 (Imagem: Ivo/Canaltech)

Afinal, o visor Super AMOLED é capaz de entregar melhorias significativas na reprodução de cores, pois é notório que os detalhes dos conteúdos ficam mais próximos do que é visto a olho nu. Além disso, a probabilidade de o usuário ter os problemas crônicos de displays LCD, como retenção de tela e toque fantasma, é muito menor.

Complementando esse destaque, o aparelho disponibiliza câmera principal de 48 MP que permite a exploração de diversos recursos com mais três sensores em seu verso, bem como uma frontal de 13 MP que traz melhorias bem-vindas para aprimoramento da nitidez e nível de fidelização do tom de pele.

Redmi Note 10 Pro

Gamer com tela de 120 Hz

O Redmi Note 10 Pro tem uma proposta semelhante a vista no Note 8 Pro por ser tratar de um aparelho gamer. Entretanto, a característica que mais chama a atenção no intermediário premium é o display.

A fabricante chinesa implementou a frequência de 120 Hz, e essa configuração proporciona ainda mais fluidez na navegabilidade. Em complemento a isso, a experiência de uso em games também recebe vantagens.

Redmi Note 10 Pro (Imagem: Ivo/Canaltech)
Redmi Note 10 Pro (Imagem: Ivo/Canaltech)

Mesmo que muitos títulos ainda não tenham compatibilidade com altas taxas de frames para rodar a 120 fps, é notório que os jogos recebem aprimoramentos nos movimentos dos personagens por causa dessa atualização mais robusta do visor.

Em complemento a essa característica atrativa em um celular mid-range, o smartphone tem a plataforma Snapdragon 732G e um sensor Samsung S5KHM2 de 108 MP que é fruto de uma parceria da Xiaomi com a sul-coreana.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos