Mercado fechará em 6 h 7 min
  • BOVESPA

    110.021,38
    +907,23 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.864,61
    +56,05 (+0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,31
    +1,60 (+2,09%)
     
  • OURO

    1.644,80
    +11,40 (+0,70%)
     
  • BTC-USD

    20.226,27
    +1.044,68 (+5,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,42
    +3,29 (+0,72%)
     
  • S&P500

    3.699,62
    +44,58 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    29.538,15
    +277,34 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.042,30
    +21,35 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.540,75
    +224,50 (+1,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1617
    -0,0177 (-0,34%)
     

Melhorar marcos legais de mineração e energia é meta do governo, diz Sachsida

Ministro Adolfo Sachsida

SÃO PAULO (Reuters) - O governo brasileiro tem como meta aprimorar marcos regulatórios dos setores de energia e mineração para atrair investimentos privados em meio ao movimento de realocação global de portfólio dos investidores, disse nesta quinta-feira o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida.

Discursando em evento em São Paulo, Sachsida não detalhou os planos do governo, mas disse que sua atuação para o setor de energia se norteia pela garantia de "energia limpa, segura e barata".

"O consumidor sempre vem em primeiro lugar", afirmou.

Na véspera, o ministro defendeu mudanças nos leilões de contratação de energia organizados pelo governo, a fim de que os certames deixem de contratar fontes de geração específicas e reflitam melhores preços aos consumidores.

Já em mineração, Sachsida voltou a dizer que o Brasil quer seguir o exemplo do Canadá, que, segundo ele, tem os melhores marcos regulatórios para desenvolver a atividade mineral aliada a metas de sustentabilidade.

Após o evento, o ministro disse brevemente a jornalistas que o governo quer criar "novos instrumentos financeiros" aos setores de energia e mineração, um tema que seria discutido em reunião com bancos nesta quinta-feira.

"POLÍTICA LIBERAL"

Segundo Sachsida, o governo brasileiro adotou uma política econômica liberal "com todo vigor", evitando congelar preços de energia e combustíveis mesmo em meio a pressões altistas, "o que está dando resultados".

"Teve uma crise hídrica violenta no ano passado, a maior em 100 anos, alguém andou congelando preços por aqui?", disse, após citar políticas recentes na Europa de taxar lucros extraordinários de empresas e congelar preços em meio à forte alta dos custos de gás e energia.

"Não tenho dúvida, essa redução de impostos que estamos criando gerou bases sólidas para crescimento de emprego e investimento."

(Por Letícia Fucuchima)