Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    54.875,36
    -6.889,84 (-11,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Melatonina é uma barreira contra o coronavírus no pulmão, diz estudo brasileiro

Fidel Forato
·3 minuto de leitura

Um anos depois da descoberta do novo coronavírus (SARS-CoV-2), pesquisadores continuam a investigar formas de combater o agente infeccioso e procura novas terapias para os pacientes doentes. Agora, uma equipe de pesquisadores brasileiros descobriram que a melatonina, produzida no pulmão, pode agir como uma barreira natural contra o vírus da COVID-19. Isso porque o hormônio impediria a infecção das células do sistema respiratório.

Em outras palavras, o hormônio impossibilita a infecção das células saudáveis pelo coronavírus, segundo o estudo realizado pelos pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e publicado na revista Melatonin Research. Como não acontece a infecção nesses casos, o sistema imunológico também não é ativado, o que permite que o vírus da COVID-19 permaneça ativo por alguns dias no trato respiratório e livre para encontrar outros hospedeiros, de preferência, mais desprevenidos.

Melatonina inibe infecções da COVID-19, segundo pesquisa brasileira (Imagem: reprodução/ Fernando Zhiminaicela/ Pixabay )
Melatonina inibe infecções da COVID-19, segundo pesquisa brasileira (Imagem: reprodução/ Fernando Zhiminaicela/ Pixabay )

Essa descoberta, por exemplo, ajuda a ciência a entender uma das origens para os casos assintomáticos. Afinal, há pessoas que não são infectadas ou que estão carregando o coronavírus — inclusive, com diagnóstico confirmado a partir de um teste do tipo RT-PCR —, mas não apresentam nenhum sintoma da COVID-19. Estes são alguns mistérios que começam a ser revelados agora.

“Constatamos que a melatonina produzida pelo pulmão atua como uma ‘muralha’ contra o SARS-CoV-2, impedindo que o patógeno entre no epitélio, que o sistema imunológico seja ativado e que sejam produzidos anticorpos”, explica a professora do Instituto de Biociências (IB) da USP e coordenadora do projeto, Regina Pekelmann Markus, para a Agência Fapesp.

“Essa ação da melatonina do pulmão também deve ocorrer com outros vírus respiratórios, como o da influenza”, pensa a pesquisadora Markus. No entanto, são necessários outros estudos para comprovar essa hipótese.

Melatonina contra a COVID-19

Vale comentar que a melatonina é bastante popular e muito conhecida como o hormônio do sono, já que ele informa o organismo de que está escuro e o prepara para o repouso noturno. Inclusive, algumas pessoas consomem melatonina através de pílulas, em alguns tratamentos médicos. No entanto, a pesquisa brasileira não se refere a esse uso e, sim, do hormônio produzido no pulmão.

A partir de um estudo com roedores ainda na década de 1990, a pesquisadora Markus demonstrou que o hormônio produzido à noite pela glândula pineal, no cérebro, poderia ser produzido em outros órgãos, como no pulmão. De acordo com o novo estudo, é a melatonina produzida pelo pulmão que inibe a transcrição de determinados genes codificadores de proteínas e que são usados como portas de entrada do vírus no corpo.

Por outro lado, a descoberta abre, sim, a perspectiva de uso da melatonina administrada por via nasal – em gotas ou aerossol –, como um remédio mesmo, para impedir a evolução da COVID-19 em pacientes pré-sintomáticos. Caso os pesquisadores sigam por este caminho, será necessária uma série de estudos pré-clínicos e clínicos que comprovem a eficácia terapêutica do hormônio contra o coronavírus nesses formatos.

Para acessar o artigo completo, publicado revista Melatonin Research e apoiado pela Fapesp, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: