Mercado fechado

Meirelles assume novo projeto no setor privado, mas segue aberto a convite de Lula

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Nome preferido do mercado financeiro para comandar a economia no governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-ministro Henrique Meirelles assumiu nesta segunda-feira (31) um novo compromisso no setor privado.

Apoiador de Lula na disputa contra Jair Bolsonaro (PL), o ex-chefe da Fazenda no governo Michel Temer (MDB) e ex-presidente do Banco Central no governo Lula coordenará a expansão da ACCrédito, braço financeiro da Associação Comercial de São Paulo que se prepara para virar um banco digital.

Meirelles, que também entrou recentemente no conselho consultivo global da corretora de criptomoedas Binance, disse à Folha de S.Paulo que, embora esteja tocando uma agenda com novos projetos no setor privado, "não teria maiores problemas" em deixar essas atividades para integrar o governo de Lula.

"No momento em que, caso eu seja convidado e aceite, eu vou evidentemente encerrar o meu trabalho na iniciativa privada, seja na ACCrédito, na Binance ou em outros projetos que eu esteja envolvido, da mesma maneira que eu fiz em 2016, quando assumi o Ministério da Fazenda, ou em 2003, quando assumi o Banco Central", afirmou Meirelles.

O ex-ministro ainda disse que não recebeu convite "por enquanto" de Lula. Questionado se aceitaria, repetiu que aguardará um eventual contato para tomar sua decisão.

"Eu não tomo decisão por hipótese, nunca tomei. Vamos aguardar. Caso haja um convite, eu farei uma análise e tomarei a decisão", disse.

Caso permaneça no setor privado, Meirelles poderá ser convidado a assumir o conselho de administração da ACCrédito, após a conclusão do projeto de ampliação que ele coordenará na instituição, segundo Milton Luiz de Melo Santos, presidente e fundador da empresa.

Além das funções de gestão, segundo Santos, o ex-ministro exercerá papel importante no negócio ao emprestar o seu prestígio junto ao mercado financeiro para atrair investidores.

"Estamos operando há dois anos e é natural a necessidade de ter capital para continuar operando o nosso negócio, que é oferecer crédito para micro e pequenas empresas, o que fez surgir a necessidade de buscar investidor para o negócio. E a pessoa que traz grande credibilidade e respeitabilidade é o Henrique Meirelles", comentou Santos.

Integrada às mais de 400 associações comerciais do estado de São Paulo, com 300 mil empresas vinculadas, a ACCrédito oferece linhas de crédito por intermédio de sua plataforma digital accreditodigital.com.br desde janeiro de 2021.

Nesse período, atendeu mais de 1.200 empresas em operações de capital de giro, financiamento para investimento, desconto de duplicatas e antecipação de recebíveis de cartão. O valor médio individual das operações é de R$ 40 mil.