Mercado fechará em 49 mins
  • BOVESPA

    108.503,29
    +126,94 (+0,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.604,12
    +598,01 (+1,33%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,05
    +3,55 (+4,52%)
     
  • OURO

    1.670,50
    +34,30 (+2,10%)
     
  • BTC-USD

    19.556,59
    +423,01 (+2,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,87
    +17,08 (+3,98%)
     
  • S&P500

    3.723,58
    +76,29 (+2,09%)
     
  • DOW JONES

    29.715,83
    +580,84 (+1,99%)
     
  • FTSE

    7.005,39
    +20,80 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    -609,43 (-3,41%)
     
  • NIKKEI

    26.173,98
    -397,89 (-1,50%)
     
  • NASDAQ

    11.528,75
    +195,00 (+1,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2022
    +0,0423 (+0,82%)
     

Meios para desenvolver a criatividade no trabalho

Beethoven despejava água gelada sobre a cabeça na hora de criar. Já Honoré de Balzac não abria mão de boas xícaras de café para escrever suas histórias. Atributo de liderança mais desejado por profissionais na atualidade, a criatividade até parece dom concedido a um grupo restrito. Mas especialistas garantem que todos nascemos com tal competência, que deve ser estimulada constantemente.

Veja também:
Conheça os empregos mais bizarros do mundo
Top 5 erros mais comuns no currículo


Segundo pesquisa da americana Creative Education Foundation, até os 3 anos de idade costumamos usar 98% de nossa capacidade criativa, número que cai para 2% após os 30 anos. “É uma habilidade inerente a qualquer ser humano, mas à medida que a gente cresce e vai criando nossos hábitos mentais e rotinas, vamos acessando cada vez menos a criatividade”, justifica Solange Mata Machado, coordenadora do curso de Pós-MBA de Inovação na HSM Educação.

Sérgio Navega, diretor da Intelliwise Research, empresa de pesquisa teórica de inteligência artificial, aponta a alta conectividade social como outro fator que limita nosso potencial de criar. “Com Facebook e Twitter, as pessoas são incentivadas a uma postura de extrema interatividade e isso reduz severamente a possibilidade de reflexão. A consequência é que as possibilidades criativas que dependem de longas viagens mentais subjetivas ficam muito limitadas.”

Para ajudá-lo a sair da rotina e estimular a criatidade, consultamos pessoas que lidam com com ela no seu cotidiano. Veja:

Desligar-se do mundo

“O tempo no processo criativo é crucial. Todo mundo precisa de um período a sós, com suas próprias ideias. Se possível, longe do barulho e daquelas conversas paralelas, às vezes inevitáveis, com um colega ou familiar. Como meu estúdio é casa, criei uma placa que fica pendurada na porta. De um lado vem escrito livre e do outro ocupado. De início pareceu meio hostil, mas todos nos acostumamos a ela e tem funcionado perfeitamente”, aconselha o cartunista Alpino, que trabalha diariamente na confecção das charges do Yahoo! Brasil e ilustrações da “Folha de S.Paulo”, além de fazer cartuns mensais para “Playboy”.

Para Vinicius Maldonado, diretor de arte da Educa Comunicação Educacional, música é o segredo para manter o foco.  “Me eleva o pensamento pra longe, desligo do que tem em volta e a cabeça fica leve. Sem música não dá”, reforça ele, que atua em campanhas publicitárias no mercado educacional.


Persistir e inovar diante das dificuldades
“Muitas vezes o motor do progresso reside exatamente diante de um obstáculo aparentemente intransponível. E é exatamente a necessidade, ou o desafio diante deste obstáculo, que estimula em nós soluções criativas”, observa o diretor de Marketing da TRIP Linhas Aéreas, Emerson Luccas.

“Desenhe seus desafios, dessa forma você  vai começar a olhar para eles de forma diferente. E nunca queira resolver tudo de uma vez, vá separando por partes e adotando ferramentas diferentes para cada uma delas, como desehar, conversar com pessoas, se inspirar em outras áreas”, orienta Solange Machado.

“Uma sugestão é praticar a ideia do ‘revolucionário mental’. Isso está associado à criação consciente, dentro de nossa mente, de um personagem novo. Internamente podemos questionar tudo o que está sendo feito e proposto em nossa vida pessoal e empresarial, não apenas por nós mesmos, mas por todos à nossa volta. É um exercício subjetivo, interno, ninguém precisa saber que estamos fazendo isso. Pensamos: ‘será que não tem outra forma de fazer isso?’, indica Sérgio Navega.

Ser confiante
“Sem confiança suficiente, qualquer um trava e não sairá do ponto inicial. Desenvolvi um truque bem simples e ele tem me ajudado bastante ao criar uma charge, ilustração ou cartum inéditos. Pego a primeira ideia que vem à cabeça e a ponho no papel, como um esboço. Essas primeiras idéias sempre são idiotas e insípidas, mas saber que já tenho um plano B à mão, caso não consiga atingir meu objetivo, ajuda bastante”, conta Alpino.