Mercado fechará em 4 mins
  • BOVESPA

    106.347,74
    -2.441,59 (-2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.287,58
    -1.176,45 (-2,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,39
    -3,01 (-2,68%)
     
  • OURO

    1.815,30
    -3,60 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    29.309,36
    -775,79 (-2,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    655,82
    -14,86 (-2,21%)
     
  • S&P500

    3.918,11
    -170,74 (-4,18%)
     
  • DOW JONES

    31.448,93
    -1.205,66 (-3,69%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.929,50
    -630,75 (-5,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2142
    +0,0038 (+0,07%)
     

Mega mineradoras mostram por que oferta de metais está tão curta

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- A Glencore é a mais recente gigante da mineração a reduzir previsões de produção, no que se mostra um começo de ano difícil para as empresas que extraem algumas das matérias-primas mais importantes do mundo.

A tendência em todo o setor é clara – as maiores empresas não produzem tanto quanto dizem que vão produzir. BHP, Rio Tinto e Anglo American relataram números de produção abaixo do esperado na semana passada e os custos aumentam acentuadamente na maioria das operações.

As decepções são um lembrete de como é difícil manter e aumentar a oferta de metais que alimentam as fábricas e canteiros de obras do mundo.

Novas minas exigem bilhões de dólares e podem levar décadas antes de estarem prontas para começar a operar, se chegarem lá. Nas operações existentes, as empresas lutam com todo tipo de problema, desde ausência de trabalhadores por causa de Covid a clima extremo e erros básicos que prejudicam a produtividade e aumentam despesas.

O setor de mineração foi um dos grandes beneficiários da recuperação econômica pós-lockdowns e da ameaça de interrupção do fornecimento pela invasão da Ucrânia. Quase todos os principais metais e minerais atingiram um recorde nos últimos 12 meses, alimentando lucros e altas de ações em todo o setor.

A oferta está escassa em escala global: os estoques de bolsas de metais como zinco e alumínio caíram para níveis perigosamente baixos depois que a demanda se recuperou no ano passado e os sistemas globais de logística foram prejudicados.

Embora existam expectativas crescentes de que a demanda seja afetada pelos lockdowns na China e ventos contrários em outros lugares, os preços da maioria dos principais metais ainda estão em níveis historicamente altos - muitos deles não caíram substancialmente em relação aos recordes estabelecidos no início deste ano - e os estoques dos armazéns em geral permanecem baixos.

Embora os produtores se beneficiem dos apertos de oferta que aumentam os preços de seus metais, a mineração em si é, em última análise, um negócio de logística e altamente suscetível a problemas de mão-de-obra e fornecimento.

O cobre, usado em tudo, desde cabos de energia a motores elétricos, foi especialmente atingido, com quase todos os grandes produtores cortando suas previsões.

“Interrupções de fornecimento em vários locais estão colocando a produção em risco”, disse a analista do Morgan Stanley Amy Sergeant. “Os riscos de oferta estão aumentando no curto prazo, o que pode manter o mercado de cobre mais apertado no segundo trimestre.”

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos