Mercado fechará em 4 h 39 min
  • BOVESPA

    112.371,04
    -2.057,14 (-1,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.412,05
    -273,98 (-0,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,26
    -0,18 (-0,22%)
     
  • OURO

    1.778,10
    +12,40 (+0,70%)
     
  • BTC-USD

    62.537,31
    +620,62 (+1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.457,94
    -5,42 (-0,37%)
     
  • S&P500

    4.509,21
    +22,75 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.388,52
    +129,91 (+0,37%)
     
  • FTSE

    7.203,66
    -0,17 (-0,00%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.340,75
    +50,25 (+0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4694
    +0,0779 (+1,22%)
     

MedTech | As 5 inovações cientificas mais interessantes do mês [09/21]

·3 minuto de leitura

Neste mês de setembro, houve uma série de inovações científicas, que a curto ou longo prazo, podem representar um verdadeiro avanço para a humanidade, tornando a vida mais fácil, de acordo com o que está ao alcance da tecnologia e da ciência. E como de praxe, o Canaltech traz a lista das cinco inovações mais interessantes do mês.

Prótese biônica

(Imagem: Reprodução/Cleveland Clinic)
(Imagem: Reprodução/Cleveland Clinic)

Logo no início de setembro, mais precisamente no dia 2, noticiamos um novo tipo de braço biônico, sob a proposta de oferecer mais qualidade de vida a amputados. Os pesquisadores combinaram controle motor intuitivo, cinestesia de preensão e sensação intuitiva de abrir e fechar a mão para que a pessoa em questão consiga mover o braço biônico de forma intuitiva, com direito a sensações de toque e movimento.

Os participantes do estudo conseguiram executar tarefas com o mesmo grau de precisão de pessoas não amputadas. Por meio da ajuda de pequenos robôs nos músculos com receptores sensoriais cinestésicos, os pacientes conseguiram sentir que as mãos e braços estavam se mexendo. A ideia agora é passar por mais testes.

Curativo de açafrão

(Imagem: Paulo Chagas/Embrapa)
(Imagem: Paulo Chagas/Embrapa)

E que tal um curativo criado a partir de açafrão protege contra bactérias e inflamação? No dia 15, o Canaltech trouxe à tona um projeto de cientistas da cidade de São Carlos, em São Paulo, que combinaram materiais biodegradáveis com curcumina, uma substância retirada do açafrão-da-terra que conta com propriedades medicinais, atividade bactericida, antioxidantes e anti-inflamatórias. Ao realizar testes, os pesquisadores perceberam que o curativo evitou a entrada de bactérias no organismo por cerca de dez dias.

Chips em cérebros de roedores

(Imagem: riccardo ragione/Unsplash)
(Imagem: riccardo ragione/Unsplash)

No dia 22, noticiamos um novo estudo da Universidade de Brown (EUA), que tinha o objetivo de entender o cérebro humano. Trata-se, basicamente, de microchips bem pequenos (do tamanho de um grão de sal), projetados para se espalhar pela superfície do cérebro. A partir desses sensores, o grupo conseguiu registrar a atividade cortical de roedores. O próximo passo desse estudo é testar os chips em roedores acordados, e posteriormente, em macacos.

Neurônios impressos em 3D

(Imagem: Raman Oza/Pixabay)
(Imagem: Raman Oza/Pixabay)

No dia 23, foi a vez de entendermos o quão longe a impressão 3D chegou: pesquisadores da Concordia University (Canadá) conseguiram criar neurônios "vivos" e funcionais a partir dessa técnica. A maioria desses neurônios sobreviveu por mais de dois dias depois de serem impressos, o que os torna ferramentas viáveis ​​para pesquisas pré-clínicas. A equipe espera que suas células cerebrais impressas em 3D ajudem melhorando a pesquisa médica. O objetivo é substituir modelos animais por novos testes farmacêuticos, eventualmente imprimindo e experimentando em neurônios humanos.

Vaso sanitário inteligente com câmera

(Imagem: Vladdeep/Envato)
(Imagem: Vladdeep/Envato)

Para encerrar nossa lista, que tal um vaso sanitário inteligente que usa câmera para reconhecer a "impressão anal" das pessoas? O projeto, desenvolvido por pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Stanford (EUA) e noticiado no Canaltech no último dia 25, é capaz de analisar amostras de fezes e urina das pessoas e utilizar algoritmos de aprendizado de máquina para identificar quem fez. Isso é possível por meio de uma análise de características únicas da anoderme, a pele que reveste o ânus, o que depende da instalação de uma câmera. O mecanismo é ativado por meio do sensor de pressão, que reconhece quando alguém está sentado no vaso.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos