Mercado fechará em 1 h 24 min
  • BOVESPA

    112.128,93
    -482,72 (-0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.830,65
    +364,63 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,52
    +0,91 (+1,05%)
     
  • OURO

    1.783,10
    -11,90 (-0,66%)
     
  • BTC-USD

    36.976,02
    +641,11 (+1,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    842,29
    -0,17 (-0,02%)
     
  • S&P500

    4.366,42
    +39,91 (+0,92%)
     
  • DOW JONES

    34.250,06
    +89,28 (+0,26%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.218,50
    +231,75 (+1,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0187
    -0,0053 (-0,09%)
     

MedTech | As 5 inovações cientificas mais interessantes do mês [11/21]

·3 min de leitura

Máscara que brilha para indicar a presença de Sars-CoV-2. Injeção de gel que pode curar a paralisia. O mês de novembro contou com uma generosa safra de invenções que, em curto ou longo prazo, podem mudar a medicina radicalmente. Separamos as cinco inovações científicas mais interessantes desse período.

Máscara brilhante

Uma das inovações científicas de novembro é a máscara que brilha quando detecta Sars-CoV-2 (Imagem: mstandret/envato)
Uma das inovações científicas de novembro é a máscara que brilha quando detecta Sars-CoV-2 (Imagem: mstandret/envato)

Num contexto em que a realização de testes para a covid-19 é tão importante, imagina se a sua máscara fosse capaz de te indicar se você carrega o vírus ou não. É justamente essa a proposta de um estudo que noticiamos logo no início de novembro, mais precisamente no dia 4: o diretor da Kyoto Prefectural University (Japão) desenvolveu uma máscara que brilha quando detecta SARS-CoV-2.

A estrutura interna da máscara possui um anticorpo fluorescente que reage com a radiação ultravioleta se o vírus estiver presente. O anticorpo fluorescente brilha sob luz negra ou sob a luz emitida por telefones celulares e outros tipos de energia. A máscara funcionou com todos os participantes envolvidos no estudo, e a ideia agora é levá-la para aprovação e, quem sabe, comercialização.

Teste que muda de cor

Normalmente, as amostras de feridas precisam ser analisadas em um laboratório, levando tempo, esforço e recursos para identificar uma infecção. No entanto, uma invenção de pesquisadores da University of Bath, da University Hospitals Bristol e do Weston NHS Foundation (Reino Unido) pode mudar esse cenário.

Trata-se de um teste que muda de cor para indicar se uma ferida está infectada com bactérias nocivas. A invenção funciona por meio de pequenas vesículas (pequenas estruturas bolhosas dentro de uma célula) que envolvem um corante fluorescente. Quando a amostra de uma ferida infectada entra em contato com a solução, as bactérias fazem com que essas vesículas liberem o corante, levando à mudança de cor.

Robô de vacinas

As pessoas que têm medo de agulha podem comemorar: uma empresa vinculada à Universidade de Waterloo (EUA) criou o Cobi, um robô que pode aplicar vacinas sem agulha nenhuma. É que em vez da agulha, o Cobi usa um jato de fluido de alta pressão, da espessura de um fio de cabelo, para injetar o imunizante diretamente no tecido.

Injeção de gel contra paralisia

Neste mês, a ciência deu um pequeno passo rumo a um possível tratamento contra a paralisia. Isso porque um grupo de pesquisadores desenvolveu um gel injetável capaz de reverter a paralisia em roedores com lesões graves na medula espinhal. O produto regenera os nervos lesionados e repara outros tecidos vitais, permitindo recuperar a capacidade de andar em aproximadamente quatro semanas.

O próximo passo, depois do estudo bem sucedido em roedores, é procurar a Food and Drug Administration (FDA) para iniciar o processo de aprovação dessa nova terapia para uso em humanos.

Monitor de saúde óssea

Dispositivo minúsculo é capaz de monitorar saúde óssea (Imagem: Divulgação/University of Arizona)
Dispositivo minúsculo é capaz de monitorar saúde óssea (Imagem: Divulgação/University of Arizona)

A lista de inovações científicas de novembro se encerra com um dispositivo minúsculo capaz de monitorar saúde óssea, desenvolvido por pesquisadores da University of Arizona (EUA). A invenção é como um adesivo que imita um tipo de célula encontrada nos ossos. Uma vez colocado no osso, o organismo é levado a pensar que o dispositivo é parte dele, assim o osso cresce até se fundir. A aplicação é pensada principalmente para pacientes com doenças como a osteoporose.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos