Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.085,53
    -189,37 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Medo de recessão derruba grãos com milho em mínima pré-guerra

(Bloomberg) -- O milho caiu para o preço mais baixo desde antes da invasão da Ucrânia em meio a temores de recessão que obscurecem as perspectivas para a demanda por commodities.

Os futuros de milho em Chicago afundaram até 7% para uma mínima de quatro meses de US$ 6,455 o bushel, em sua maior queda intradiária em um ano. A soja caiu 4,6%, para o menor preço intradiário desde janeiro, enquanto o trigo perdeu até 4,3%.

A queda segue comentários do presidente do Federal Reserve Jerome Powell de que aumentos acentuados das taxas de juros poderiam levar a economia dos EUA à recessão em seu aceno mais explícito a essa possibilidade até agora.

“Os crescentes temores de recessão castigam os mercados agrícolas novamente”, disse Terry Reilly, analista sênior de commodities da Futures International em Chicago. “O mergulho de tudo está influenciando o milho e outros mercados relacionados.”

O óleo de soja caiu pelo 10º dia consecutivo para uma mínima de cinco meses. Oleaginosas rivais como a canola também registraram perda. Cerca de 68% da safra de soja dos EUA está em bom ou excelente estado, melhor do que há um ano. O país deve fornecer uma nova estimativa de área cultivada na próxima semana.

Do lado da demanda, as preocupações com uma desaceleração econômica global pesam sobre os preços do petróleo e outras commodities importantes. Uma desaceleração poderia diminuir a demanda por biocombustíveis derivados de safras.

“Os preços das commodities agrícolas sofreram até agora em junho, mas a partir de níveis quase recordes”, disseram analistas do Rabobank em nota. Para a soja, o mercado enfrenta temores de recessão, um aumento no plantio americano e boas condições de safra, embora os estoques permaneçam apertados, disseram.

Os futuros de óleo de soja caíram até 6% para 63,43 centavos de dólar a libra-peso em Chicago. A décima queda diária marca o período de perdas consecutivas mais longo desde maio de 2012. Os futuros de canola caíram 8%, para US$ 838,40 a tonelada, o menor preço intradiário desde agosto.

O óleo de palma na Malásia também afundou esta semana porque a Indonésia acelerou as vendas, liberando estoques acumulados durante uma proibição de exportação de curta duração.

“Tanto o risco quanto a realidade de uma ampla recessão global nunca são coisas boas para os mercados de commodities”, disse o estrategista do Commonwealth Bank of Australia Tobin Gorey. “Isso também se aplica a agrocommodities, apesar de a maioria delas ter uma influência modesta nos ciclos econômicos.”

A tendência de baixa para as commodities agrícolas pode ser limitada por novas preocupações sobre as exportações do Mar Negro depois que a Rússia atacou um porto ucraniano que normalmente é um polo para cargas agrícolas. Dúvidas também persistem sobre as chances de progresso na próxima rodada de negociações sobre um potencial corredor para embarque de grãos da região, com poucos avanços até o momento.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos