Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.871,90
    +5,40 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    35.466,63
    +1.066,66 (+3,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    696,42
    -4,19 (-0,60%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.308,25
    +14,00 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4118
    -0,0868 (-1,34%)
     

Medo na Suécia de vacinação apressada contra a covid após fiasco com a influenza A

Pia OHLIN y Tom LITTLE
·2 minuto de leitura
Lata de lixo com a frase "O perigo não acabou - mantenha distância" na cidade sueca de Uppsala

Voltar a tomar uma vacina desenvolvida apressadamente? Nunca mais, diz Meisa Chebbi que, como centenas de outros jovens suecos, desenvolveu narcolepsia após uma campanha em massa de vacinação contra a pandemia da gripe A (H1N1) de 2009-2010.

A experiência horrível conferiu um duro golpe na confiança dos suecos em qualquer futura vacina contra o coronavírus, em meio aos temores de efeitos colaterais desconhecidos a longo prazo.

"Nunca recomendarei uma vacina que foi lançada no mercado apressadamente", conta à AFP Chebbi, de 21 anos, "a menos que realmente seja necessário se vacinar por razões de risco".

O país escandinavo tem uma participação de mais de 90% em seu programa de vacinação infantil voluntário.

Mas uma recente pesquisa realizada pelo instituto Novus aponta que 26% dos suecos não pretendem tomar nenhuma das vacinas em desenvolvimento contra a covid-19, contra 28% de indecisos.

Um total de 46% afirmaram que tomariam a vacina.

- "Destruiu a minha vida" -

Entre os que se opõem, 87% afirmam que é motivado pelo medo dos ainda desconhecidos efeitos colaterais.

As autoridades de saúde na Suécia pediram em 2009 à sua população que se vacinasse voluntariamente com a vacina Pandemrix contra a gripe A (H1N1), desenvolvida pela empresa britânica GlaxoSmithKline.

Mais de 60% seguiram a recomendação, o maior percentual do mundo.

Mas Chebbi e outras centenas de pessoas, principalmente crianças e jovens adultos menores de 30 anos, foram diagnosticados depois com narcolepsia, como um efeito colateral da vacina.

Com o tempo, foi estabelecida uma ligação com um adjuvante ou intensificador na vacina da Pandemrix que buscava reforçar a resposta imune.

A narcolepsia é um transtorno crônico do sistema nervoso que causa uma sonolência excessiva e geralmente incômoda.

"Tenho ataques do sono o tempo todo em qualquer tipo de situação e em momentos inadequados. [...] Durante minha refeição, em entrevistas de emprego, nas aulas, seminários, na universidade. Durmo no trabalho, no ônibus e em qualquer lugar", diz Chebbi.

"Isso destruiu a minha vida", afirma.

O seguro farmacêutico sueco aprovou até agora 440 das 702 reclamações por narcolepsia vinculadas à Panemrix, pagando um total de 100 milhões de coroas (9,8 milhões de euros, 11,6 milhões de dólares).

Anders Tegnell, epidemiologista-chefe do governo sueco e um rosto conhecido da controversa estratégia "branda" do país no combate ao coronavírus, fazia parte de um grupo de especialistas no Conselho de Saúde que pediu uma vacinação em massa em 2009-2010.

po-tl/bc/mar/aa