Mercado abrirá em 6 h 4 min
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,42
    +0,52 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.835,90
    +4,60 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    58.897,88
    +506,52 (+0,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.567,81
    +132,03 (+9,20%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.527,17
    -83,48 (-0,29%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    +160,52 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.668,25
    -41,50 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3658
    +0,0007 (+0,01%)
     

Medidas de prefeituras contra portos de minério de ferro são 'arbitrárias', diz ATP

·1 minuto de leitura
Mina de minério de ferro da Vale no Pará

SÃO PAULO (Reuters) - Ações recentes de autoridades municipais que geraram multas, interdições e fechamento de terminais privados de movimentação de minério de ferro em Itaguaí e Mangaratiba, no Rio de Janeiro, foram criticadas nesta quinta-feira pela Associação de Terminais Portuários Privados (ATP).

"Os terminais portuários privados foram vítimas de acusações infundadas das prefeituras, já que dispõem de toda a documentação regularizada e aprovada pelo órgão estadual responsável pelo licenciamento ambiental. Além disso, as prefeituras não apresentaram evidências que comprovem qualquer dano ambiental na operação dos terminais" , afirmou a entidade, que definiu as medidas como "arbitrárias".

A prefeitura de Itaguaí anunciou nesta quinta-feira uma multa de 2,38 milhões de reais sobre a Companhia Portuária Baía de Sepetiba (CPBS), subsidiária da Vale. No início da semana, a mineradora teve seu Terminal da Ilha Guaíba (TIG), em Mangaratiba, brevemente interditado pela prefeitura, antes de uma liberação do órgão ambiental estadual.

Na sexta-feira passada, a CSN foi multada em 4 milhões de reais e teve operações em terminais de Itaguaí (RJ) temporariamente interditadas por supostas irregularidades ambientais por autoridades da cidade, também com posterior liberação pelo Inea, órgão do governo fluminense.

(Por Luciano Costa)